• João Pimenta Lopes

Comentário
Da subserviência e da coerência

Na passada semana, o Parlamento Europeu aprovou um muito perigoso relatório de iniciativa, leia-se uma proposta do PE ao Conselho e à Comissão, sobre a criação de um mecanismo europeu para a Democracia, o Estado de Direito e os Direitos Fundamentais. Uma «democracia liberal», assim a chamam.

Enquadremos a resolução. Países como a Hungria e mais recentemente a Polónia (mas não só...), governados por forças reaccionárias, protofascistas, têm, nos últimos anos, promovido uma brutal ofensiva sobre todos os domínios de direitos e liberdades, dos trabalhadores, à liberdade de expressão, à perseguição política, nomeadamente contra os partidos comunistas daqueles países. No último ano, várias foram as iniciativas de ingerência no PE, nomeadamente sobre aqueles dois países defendendo como resposta a activação – inédita – do artigo 7.º do Tratado da União Europeia (TUE)1, invocando violações do Estado de Direito e dos Direitos Humanos, mas omitindo a natureza de classe dos seus regimes políticos, a perseguição aos trabalhadores, aos comunistas e forças progressistas, e a própria responsabilidade da UE no recrudescimento das forças reaccionárias em todo o seu território.

Essa não activação motiva esta resolução, que se centra nos artigos 2.º, 3.º e 7.º do TUE. Os dois primeiros, relativos aos valores em que se «funda» a UE e os objectivos a que se propõe. Dignidade humana, liberdade, democracia, igualdade, direitos do homem, justiça, solidariedade, combate à pobreza, promoção da coesão económica, social e territorial, paz e segurança. Um conjunto de valores que desfalecem nos textos dos tratados, porquanto a prática demonstra que as políticas da UE não só não respondem como os afrontam (Líbia, Ucrânia, Jugoslávia, ou a crise humanitária dos refugiados por exemplo). Mas percebe-se porque a realidade é distante dos tratados, quando no mesmo enunciado se misturam estes valores com a criação de um mercado interno ou do espartilho da União Económica e Monetária e do euro.

O terceiro, que preconiza a possibilidade de o Conselho promover sanções contra um Estado-membro que viole os valores do artigo 2.º, nomeadamente a retirada do direito de voto nas reuniões daquele órgão.

Deste ponto de partida arranca para a proposta que conta com alguns pontos-chave a integrar num acordo inter-institucional:

– a criação de um ciclo político para a democracia e estado de direito, à semelhança do semestre europeu para a governação económica, de avaliação dos cumprimento dos estados-membros com recomendações específicas por país, avançadas por um painel de expertos que constituam um nível judicial superior (supostos peritos independentes);

– tornar o TUE e a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia (CDFUE), a base jurídica para medidas legislativas a adoptar, e a revisão do artigo 7.º para «tornar as sanções contra qualquer Estado-membro relevantes e aplicáveis, identificando os direitos [...] que possam ser suspensos, por exemplo, sanções financeiras ou a suspensão do financiamento da União»;2

– suprimir o princípio da subsidiariedade da CDFUE e convertê-la numa declaração de direitos da UE;2

– rever o requisito de unanimidade no Conselho em decisões que envolvam direitos fundamentais.2

Ante mais este cenário, de inaceitável assalto à soberania dos estados, aprofundando os mecanismos de federalização da UE por via de um garrote legislativo, num ciclo para a democracia (a deles), registamos o voto favorável de PS e PSD, subservientes ao projecto de integração capitalista, e a abstenção do CDS e do BE. O voto favorável dado pelo BE aos elementos mais graves da proposta revela uma vez mais o seu alinhamento com as opções e decisões de ingerência e ataque à soberania dos estados. Ao votarem favoravelmente a necessidade e o reforço da aplicação de sanções a países «incumpridores», o que estes partidos fizeram foi legitimar as sanções e as inaceitáveis chantagens e pressões que pendem sobre Portugal.

Acresce que as instituições da UE não são exemplo no que toca à democracia e direitos fundamentais. A harmonização destes constitui, para países como Portugal, uma inaceitável pressão negativa, nivelando por baixo os padrões de direitos sociais e de trabalho. O enredo de tratados e legislação europeus são, em verdade, um obstáculo à legítima decisão soberana de cada povo decidir dos seus destinos, um obstáculo à concretização da constituição portuguesa e das conquistas da revolução que o povo português, mais cedo que tarde, saberá retomar e impor, libertando-se dos constrangimentos dos tratados.

O PCP coerente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo e do país, votou contra.

______

 1 TUE - http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=CELEX%3A12012M%2FTXT

2 Perante um voto isolado, todos os deputados portugueses no PE votaram favoravelmente este conteúdo, com excepção dos deputados do PCP que votaram contra.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: