• Henrique Custódio

Divagações

Há dias, um jovem taxista em Lisboa (tinha 27 anos) afirmou-me o seu encanto pelo Pai Natal e «a tradição» que ele representava, ficando surpreendido quando o informei que o Pai Natal era uma invenção da Coca-Cola norte-americana nos idos de 1931, criando a figura (agora «icónica») de um idoso gordo, de barbas brancas, risonho e vestido de vermelho, que saíra da arte de um ilustrador famoso na época, Haddon Sundblom, contratado pela administração da empresa para uma campanha que contrariasse a brutal queda de receitas da bebida durante o Inverno.

Antes disso, o amável taxista já havia apresentado, como «prova irrefutável» da importância da Coca-Cola na cultura dos povos, um filme que vira contando a história da queda de uma garrafa de Coca-Cola numa «aldeia em África», o que «revolucionou a vida daquela gente».

Elucidei-o de que falava de um filme de 1980, Os Deuses Devem Estar Loucos (ele exultou ao reconhecer o título), e poupei o meu jovem taxista à maçada de divagações sobre a diferença de uma comédia (o caso do filme) e um documentário antropológico (aparentemente, a leitura que ele fizera da fita).

Explana-se aqui a eficácia da propaganda (ou «publicidade», como alguns gostam de dizer) no convencimento das massas populares acerca seja do que for, com o pormenor de a repetição sistemática da mensagem transformar em verdade corriqueira o que, mentirosamente, foi inventado por uns criativos quaisquer. O nazi Goebbels resumiu esta «técnica» na sua famosa frase «uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade».

Esta manipulação das pessoas através da propaganda não se fica pela repetição ad nauseam de um produto, espraia-se em expedientes infinitos e um dos mais vulgares, sobretudo na técnica informativa das televisões, é focar as atenções num pormenor secundário (quando não irrelevante) e desvalorizar ou secundarizar, assim, o assunto principal. Esta manobra é muito usada quando se pretende apoucar, por exemplo, um comício ou uma jornada de luta e se busca depoimentos que pareçam dissonantes, pondo em acção outra máxima famosa da comunicação moderna – em televisão, o que parece, é.

A eleição de Donald Trump como presidente dos EUA mostrou espectacularmente o poder que a propaganda bem direccionada tem – e entenda-se «bem direccionada» pelo que visa e acerta nos chamados «público-alvo». Foi o caso da demagogia fascistóide de Trump – atirar com promessas de emprego e bem-estar aos muitos milhões de norte-americanos há décadas desiludidos com a constante e progressiva degradação das suas vidas.

Há leis objectivas na luta dos povos que nenhuma propaganda dos poderosos conseguirá iludir.

O Papa português, João XXI, também declarou heréticas as leis da Natureza. Acabou soterrado debaixo do tecto, por acção da lei da gravidade.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: