Brexit comprova a crescente contestação popular às políticas da União Europeia
Vontade do povo britânico<br>deve ser respeitada

BREXIT A propósito do processo de saída do Reino Unido da UE, os deputados do PCP no PE exigiram que a vontade expressa em referendo seja respeitada.

Image 22516

Em comunicado divulgado dia 29 de Março, data em que o governo do Reino Unido accionou o artigo 50.° do Tratado da União Europeia, os deputados do PCP no Parlamento Europeu salientam que o processo de saída «não deve, em momento algum, basear-se na chantagem ou ser utilizado para punir o povo britânico, devendo respeitar a sua livre e soberana decisão».

Os deputados do PCP chamam ainda a atenção para «os riscos de que o processo negocial possa ser utilizado para tentar perverter ou contornar a decisão do povo britânico».

Notando que «o chamado “BREXIT” comprova a crescente contestação popular às políticas e pilares da União Europeia», os deputados do PCP consideram, igualmente, que «o que se impõe não é a instrumentalização de decisões soberanas – como a saída do Reino Unido da UE – para reforçar o neoliberalismo, o federalismo e o militarismo. Pelo contrário, tal processo deve ser encarado como uma oportunidade para se enfrentarem e resolverem os reais problemas dos povos, questionando todo o processo de integração capitalista da União Europeia e abrindo um novo e diferente caminho de cooperação na Europa, de progresso social e de paz.»

Porém, assinalam, «não é esse o caminho que a União Europeia reafirmou na recente Cimeira de Roma».

Projecto contrário ao interesse dos povos

Denunciando «as operações das instituições da União Europeia, dominadas pela direita e social-democracia, de branqueamento das políticas e decisões da União Europeia, contrárias aos direitos, interesses e aspirações dos trabalhadores e dos povos», os deputados manifestam a rejeição por parte do PCP da «agenda em curso de aprofundamento do processo de integração capitalista assente numa falsa ideia da defesa da Europa. A União Europeia é, na sua génese, um projecto ao serviço dos interesses do grande capital e das principais potências europeias.

«A União Europeia é contrária aos interesses dos povos e é corroída por insanáveis contradições. O referendo britânico e o processo que hoje se inicia com a activação do Artigo 50.º são expressões dessa realidade».

E reafirmam que «a solução dos graves problemas com que os povos da Europa se confrontam, assenta numa outra Europa de real cooperação, e não de imposição e domínio como o é a União Europeia. Um processo de cooperação entre Estados soberanos e iguais em direitos, de progresso social, defensor da paz, da solidariedade, do respeito mútuo, de defesa dos direitos dos trabalhadores e dos povos.

«No processo de negociação que agora se inicia, os deputados do PCP no PE comprometem-se a agir pugnando pelo respeito da decisão soberana do povo britânico e na defesa e salvaguarda dos interesses dos trabalhadores e do povo português, bem como dos interesses de Portugal e das suas relações de cooperação mutuamente vantajosas com o Reino Unido, num complexo processo de negociação que as grandes potências da União Europeia irão tentar determinar em função dos seus interesses».




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: