10 de Maio 1933 – Bücherverbrennung em Munique

Image 22707

A bücherverbrennung, termo alemão que significa queima de livros, começou em Munique, na Baviera, poucos meses depois da chegada de Adolf Hitler ao poder. A Königsplatz transformou-se num braseiro consumindo livros, jornais e revistas considerados críticos ou não conformes com os padrões impostos pelo nazismo. Foram destruídas centenas de milhares de livros em praças públicas de diversas cidades alemãs, numa purga que durou até 21 de Junho. A lista dos proscritos incluía nomes como Albert Einstein, Alfred Kerr, Bertolt Brecht, Carl von Ossietzky, Erich Kästner, Erich Maria Remarque, Ernst Toller, Franz Werfel, Heinrich Heine, Joseph Roth, Karl Marx, Kurt Tucholsky, Leonhard Frank, Lion Feuchtwanger, Nelly Sachs, Ricarda Huch, Robert Musil, Sigmund Freud, Thomas Mann, Heinrich Mann, Walter Benjamin. O escritor Oskar Maria Graf, confundido como apoiante nazi, não foi banido na altura. Indignado, Graf publicou um artigo intitulado Verbrennt mich! (Queimem-meǃ) no jornal de Viena Arbeiter-Zeitung (Jornal dos Trabalhadores), que viria a inspirar o célebre poema de Brecht com o mesmo nome. Em 1934 os livros de Graf já constavam na lista negra de mais três mil obras proibidas pelos nazis.

 


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: