A extensão do Metro em Loures é uma antiga expectativa popular
Município e população de Loures unidos por mais e melhores transportes públicos

MOBILIDADE A Câmara Municipal de Loures pretende a extensão da rede de metro ao concelho e lançou um abaixo-assinado a exigi-lo. Os utentes de Sacavém reivindicam que o serviço da Carris chegue à zona urbana da cidade.

A petição promovida pelo município de Loures foi apresentada publicamente na segunda-feira, 5, em Santo António dos Cavaleiros, na sequência da aprovação do texto, por unanimidade, em reunião de Câmara, no dia 31 de Maio.

Segundo o sítio da autarquia na Internet, entre as 11h00 e as 17h00 do primeiro dia em que esteve disponível, o abaixo-assinado recolheu mais de um milhar de subscrições, facto que indicia que rapidamente irá reunir o número de assinaturas necessário para que seja entregue na Assembleia da República e ao Governo.

Nova apresentação do documento estava prevista para ontem, 7, em Sacavém, uma das localidades que a autarquia de maioria CDU pretende que nos próximos anos seja servida pelo Metropolitano de Lisboa.

Actualmente, a rede de Metro passa pelo concelho de Loures em Moscavide, estação da Linha Vermelha (entre São Sebastião e o Aeroporto). Recentemente, o Governo e a empresa pública anunciaram a construção, até 2022, de duas novas estações na Estrela e em Santos, e de outras tantas nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora nestes dois últimos casos sem compromisso de data.

Elementar

Na apresentação da petição que pode ser assinada em http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT85796 – e para a qual, de acordo com a página da autarquia na Internet, estão agendadas até ao próximo dia 8 de Julho, 17 iniciativas de rua para a recolha de apoios (oito das quais com a presença do presidente da Câmara), Bernardino Soares sublinhou que a iniciativa destina-se a demonstrar que «não são apenas a Câmara e as juntas de freguesia que exigem a extensão o metropolitano em Loures, mas toda a população».

Segundo a mesma fonte, Bernardino Soares sublinhou que «a extensão do Metro a Santo António dos Cavaleiros, Loures e Infantado, e Portela e Sacavém, é uma antiga expectativa popular». Cerca de um quarto dos residentes em Loures (aproximadamente 50 mil pessoas) estuda ou trabalha fora do concelho, ou seja, realiza movimentos pendulares diários, sobretudo para Lisboa. Mais de metade fá-lo em viatura própria. «O que significa que se houvesse uma alternativa de transporte mais viável e mais barata, esta seria uma opção válida nas suas deslocações», acrescentou.

O edil aproveitou ainda a ocasião para criticar o Governo, designadamente por deixar de fora do pacote de investimentos que promete efectuar no ferrocarril, um dos concelhos que de forma mais gritante carece de uma alternativa viável daquele tipo para melhorar a mobilidade, com todos os benefícios ambientais, económicos e na qualidade de vida das populações que tal comporta.

Sacavém precisa

Já no dia 2 de Junho, na Urbanização do Real Forte, em Sacavém, a Comissão de Utentes dos Transportes Públicos de Sacavém (CUTPS) promoveu a sua apresentação pública e lançou um abaixo-assinado para reivindicar a extensão do serviço da Carris à cidade. A CUTPS informou, entretanto, que o texto merece o apoio da Associação de Comerciantes local, podendo assim ser subscrito nos estabelecimentos assinalados com o cartaz da campanha.

Os utentes de Sacavém denunciam a degradação e insuficiência dos transportes públicos. Os cerca de 32 mil habitantes não têm outra alternativa senão a Rodoviária de Lisboa (RL) com carreiras de hora a hora.

Para a CUTPS a prioridade é garantir que a Carris não fica à porta da localidade e que pelo menos quatro carreiras passem a servir a malha urbana de Sacavém. Mas entre os objectivos da estrutura, pode ler-se no abaixo assinado, estão também a introdução de um passe intermodal para todos os operadores, todas as carreiras e para toda a Área Metropolitana de Lisboa; a melhoria do serviço prestado pela RL (qualidade das viaturas, horários, percursos e preço das tarifas de bordo); a melhoria do serviço da CP na linha da Azambuja (adequação e articulação de horários com os transportes públicos rodoviários); novas coroas tarifárias e alargando da Coroa L a todo o território da Freguesia de Sacavém, e a expansão da rede de metropolitano.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: