Reponha-se a ferrovia no Ramal da Lousã

Vai ser ouvido no Parlamento o ministro do Planeamento e das Infraestruturas sobre a proposta do Governo para o Ramal da Lousã, após aprovação na passada semana de um requerimento nesse sentido apresentado pelo PCP na Comissão de Obras Públicas.

Pedro Marques anunciara há 15 dias que a solução passaria não pela ferrovia mas por um sistema de autocarros.

Em recentes declarações à imprensa, a deputada comunista Ana Mesquita sublinhou que o «PCP sempre defendeu a necessidade de reposição da ferrovia neste ramal», lembrando, inclusivamente, que há «duas resoluções aprovadas por iniciativa do PCP na Assembleia da República que colocam a necessidade de reposição da ferrovia, sua electrificação e modernização».

Para a parlamentar comunista é claro que estas decisões da AR «têm de ser respeitadas», tal como tem de ser respeitada – e esse é um «ponto determinante», frisou – a vontade expressa múltiplas vezes pelas populações.

E o que estas sempre têm manifestado é o seu desejo de ver devolvido o comboio, a ferrovia, na ligação entre Serpins e Coimbra.

Essa vontade firme ainda no dia 8 foi reafirmada pelo Movimento de Defesa do Ramal da Lousã, em comunicado, onde repudiava a «falta de consideração e desprezo» pela população utente daquela via e classificava a proposta do Governo de «embuste alcunhado de "metrobus"».

Há bem pouco tempo essa vontade da população foi também expressa em petição entregue na AR, lembrou Ana Mesquita, que garantiu que o PCP continuará a dar voz a esta legítima aspiração e a estar ao lado dos que lutam pela sua concretização.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: