Regista-se a indiferença da actual maioria PS
CDU e moradores denunciam abandono dos bairros municipais de Lisboa

TRIBUNA PÚBLICA O cabeça-de-lista do PCP-PEV à Câmara Municipal de Lisboa, João Ferreira, esteve quinta-feira, 8, com moradores dos bairros municipais e constatou a urgente necessidade de mudança de política camarária nesta área.

São cerca de 90 mil os alfacinhas que habitam em bairros municipais. Esta é uma realidade incontornável na cidade, à qual a CDU tem prestado particular atenção ao longo dos anos. Tem sido aliás a única força política a fazê-lo, estando com os moradores na dinamização da sua luta quando tal se justifica e levando aos órgãos municipais as suas queixas, aspirações e sugestões. Contrariamente, regista-se a indiferença da actual maioria PS face aos problemas sentidos por esta população.

De tudo isto se falou na tribuna pública promovida pela CDU no Bairro do Condado, em Marvila, faz hoje uma semana. António Augusto Pereira, ex-presidente da Junta de Freguesia de Marvila e eleito na Assembleia de Freguesia, dirigiu a iniciativa em que interveio João Ferreira. Antes de falar o primeiro candidato do PCP-PEV à Câmara Municipal de Lisboa, falaram porém os moradores.

De viva voz, denunciaram questões que mereciam estar no topo das prioridades da autarquia e da empresa responsável pela gestão dos bairros municipais – a Gebalis. Mas não estão.

Passam meses e mesmo anos de desespero à espera de intervenções nos prédios e no interior das casas, e quando ocorrem são de fachada, e não estruturais, disseram. A situação repete-se no caso de pedidos de alteração do valor das rendas ou de desdobramentos por acréscimo no número de membros do agregado familiar, embora existam imóveis vagos.

Por outro lado, a limpeza urbana e a degradação dos espaços comuns ou verdes, dos acessos e arruamentos, é evidente e ocorre a par da erosão de equipamentos e serviços públicos, da ausência de apoios consistentes à iniciativa local, e designadamente ao movimento associativo, deixando as comunidades mais isolados e excluídas, lamentaram os intervenientes.

Mudar de política
Ao longo da sessão, António Augusto Pereira foi dando nota da intervenção da CDU na Assembleia de Freguesia sobre estas matérias, acusando a gestão PS na JF de Marvila de se abster de intervir no que lhe diz respeito, assim como de reclamar da Câmara as respostas que se impõem. Coube no entanto a João Ferreira assestar as críticas mais contundentes, acusando a maioria PS no município de não querer nem saber resolver os problemas sentidos nos bairros municipais.

Para João Ferreira, o laxismo da CML não se prende com a ausência de recursos (exemplificou com as isenções dadas à empresa promotora do Rock in Rio, que se realiza precisamente em Marvila, ou o facto de o orçamento para investir neste bairros ser inferior ao valor arrecadado com a taxa turística). É uma opção política.

Nesse sentido, o cabeça-de-lista da CDU apelou a que no próximo dia 1 de Outubro os habitantes dos bairros sociais confiem naqueles que consigo estiveram e estão na proposição de soluções concretas que urge implementar, entre as quais:

– Mais recursos orçamentais para a recuperação e revitalização dos bairros municipais;

– Diligência por parte da CML e da Gebalis e envolvimento dos moradores na resolução dos problemas;

– Investimento em equipamentos e no espaço urbano, defesa e recuperação dos serviços públicos.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: