Os nosso objectivos passam por reforçar a nossa votação
Entrevista a Francisco Jesus, presidente da Junta de Freguesia do Castelo e primeiro candidato à Câmara Municipal de Sesimbra
Obra realizada pela CDU em Sesimbra é motivo de orgulho para todos

RESPONSABILIDADE No concelho de Sesimbra, a CDU vai continuar a ter no centro da sua estratégia as pessoas, investindo na valorização do território e impulsionando a economia local e a criação de emprego.

Image 23373

Quem é Francisco Jesus?

É um militante do PCP, que nos últimos 12 anos desempenhou funções de presidente da Junta de Freguesia do Castelo. Sou conhecedor da realidade do concelho, fazendo parte do grande colectivo da CDU que assumiu a responsabilidade de gestão autárquica em 2005.


O que podes trazer de novo?

Em primeiro lugar julgo que a população reconhece o trabalho desenvolvido nestes três mandatos na Junta de Freguesia do Castelo. Em segundo, e mais importante, faço parte de um conjunto de pessoas com provas dadas, com conhecimento dos problemas e com grande capacidade de trabalho, que irá garantir a continuidade do trabalho da CDU e sobretudo aprofundá-lo.
Que ambiente se vive hoje em torno da CDU?
Somos a força política melhor preparada para a gestão autárquica em Sesimbra, o que tem levado a que milhares de pessoas, que tendo outras opções políticas noutros actos eleitorais, aqui no concelho e sem hesitação, confiem em nós. Os nossos objectivos passam por reforçar a nossa votação e o número de eleitos nos diversos órgãos autárquicos!


Que investimentos vão transitar do anterior mandato?

Temos muitos investimentos e obras a iniciar, outras já no terreno e muitas outras já com co-financiamento garantido. Desde logo a continuidade do programa de pavimentações, que contempla mais de 50 arruamentos, que iremos ampliar. Ao nível do Plano de Mobilidade Sustentável, temos um conjunto de investimentos, nas três freguesias, que vão revolucionar a nossa mobilidade pedonal.
Está aprovada a reabilitação da Capela de São Sebastião em Sesimbra, e da Mata da Vila Amália, que será transformada numa zona de lazer.
Ao nível da Habitação Social, está aprovada a obra de um novo edifício no Largo 2 de Abril, em Sesimbra, e manteremos a nossa aposta de fixação de população na vila, para além da reabilitação do espaço público e dos edifícios de habitação municipal.
Vamos iniciar a construção do novo canil municipal. Já começou a reabilitação do Castelo de Sesimbra. Temos garantida a candidatura ao financiamento para a conclusão do saneamento básico, na zona de Azóia e Pinheirinhos.
Estamos a falar de investimentos que para o orçamento municipal representam um esforço de mais de 12 milhões de euros num curto espaço de tempo.
A par disso temos a construção do novo Centro de Saúde de Sesimbra e do Tribunal, onde a autarquia assumirá o papel de «dona da obra». Esperamos também que assim seja com a reabilitação/ampliação da Escola Navegador Rodrigues Soromenho.

Que outras ideias e propostas tem a CDU para o futuro?

Contamos, entre outros, conseguir construir um Pavilhão Multiusos na Quinta do Conde e instalar, nesta freguesia, uma biblioteca municipal, que, a par de um novo auditório, irá ampliar bastante a oferta de equipamentos culturais.
Iremos apostar na melhoria da capacidade de estacionamento da vila de Sesimbra, com um conjunto de projectos já em curso. Um deles é retomar a operação de reconversão do estádio Vila Amália, que irá permitir mais estacionamento e a reabilitação do mesmo, e alavancar a possibilidade de construção do novo edifício municipal.  
Claro que está também no nosso horizonte, agora que se encontra em parte na posse do município, potenciar a requalificação do Santuário do Cabo Espichel, como elemento para o desenvolvimento turístico do concelho.
O espaço publico irá merecer igualmente a nossa atenção, ao nível da melhoria de equipamentos e mobilidade pedonal e ciclável, da limpeza e ma
nutenção, com o aprofundamento do processo de descentralização para as freguesias iniciado pela CDU.

Um trabalho reconhecido
pela população


A CDU está à frente da autarquia há três mandatos. O que mudou?

Há sensivelmente 12 anos apostámos numa prática de proximidade, elevando a participação dos cidadãos, olhando para os seus problemas e promovendo a sua resolução. Há cerca de dois mandatos, assumimos o compromisso de revolucionar o concelho em termos de infra-estruturas, equipamentos e actividades, consolidado nos últimos quatro anos, num ciclo particularmente difícil, fruto das opções políticas governativas de sub-financiamento das autarquias e ingerência na autonomia local.

O que falta fazer, da responsabilidade do Poder Central?

Continuamos à espera da melhoria das acessibilidades, com destaque para a tão necessária variante Porto de Abrigo-Carrasqueira e a melhoria da EN378.

Continuamos a aguardar pela construção da tão necessária Escola Secundária da Quinta do Conde, em matéria de equipamentos educativos, onde é tão evidente a discrepância entre o investimento municipal e o investimento da Administração Central naquilo que é da sua responsabilidade.

Continuamos a aguardar por soluções para os utentes da Quinta do Conde, em termos de equipamentos de saúde primária, e dos respectivos meios humanos.

Continuamos a aguardar por melhores condições para as forças de segurança no concelho, onde temos postos em instalações arrendadas pela Câmara e suportadas pelo orçamento municipal.

Esperamos por um melhor e mais forte investimento no Porto de Sesimbra, criando as condições necessárias para a nossa afirmação como porto principal de valor e descarga de pescado, e pelas condições laborais para o sector da pesca e para os operadores marítimo-turísticos e de mergulho, essenciais também na aposta que fazemos na economia do mar.

Não nos podemos esquecer da necessidade urgente de revisão do Parque Natural da Arrábida, que já deveria ter acontecido, em particular do Parque Marinho Luiz Saldanha.


Que áreas foram estratégicas para desenvolver o concelho?

Sesimbra é um concelho que está, por natureza, vocacionado para o turismo! A nossa visão estratégica para o concelho passa por potenciar esta área, mas não nos podemos esquecer de que o forte investimento realizado pelas autarquias de Sesimbra na valorização e reabilitação do património edificado e natural, na marginal de Sesimbra, nos acessos às praias em todo o concelho, na melhoria da limpeza urbana e na dimensão do investimento em infra-estruturas básicas como o saneamento, a par da afirmação da nossa marca, foi fundamental para o desenvolvimento que tivemos na última década.

Paralelamente mantemos a nossa aposta na economia do mar, em particular na valorização do nosso pescado e no sector da pesca, na promoção de produtos regionais e na promoção cultural diversificada. Sendo um concelho que «vive» essencialmente de serviços, do turismo e da sua própria valorização intrínseca, é essencial que esta aposta seja reflectida, quer na criação de emprego, quer na valorização das pequenas, médias e micro-empresas.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: