A confiança depositada na sigla PCP-PEV nunca é traída
Força indispensável na defesa e concretização dos interesses, direitos e aspirações populares

EFICÁCIA Os eleitos pelo PCP-PEV nas autarquias são imprescindíveis na denúncia e resolução dos problemas locais, sublinhou Jerónimo de Sousa em iniciativas nos distritos do Porto e Braga, no sábado, 19.

A atestá-lo está a intervenção positiva e eficaz nas freguesias e municípios, quer em maioria quer em minoria, e neste último caso com provas irrefutáveis sempre que são confiadas responsabilidades executivas aos eleitos da CDU.

Esse foi, aliás, um dos aspectos mais realçados pelo Secretário-geral do PCP no périplo realizado sábado, 19, pelos distritos do Porto e Braga. Outros foram a postura diferenciada dos comunistas, ecologistas e independentes no exercício de cargos públicos, pautando-se pelo serviço ao bem comum em vez de servirem interesses particulares ou até de se servirem a si próprios; a clareza das propostas, propósitos e projecto alternativo da CDU, contrariamente ao que sucede com a esmagadora maioria das falsas candidaturas independentes, e a obra visando o progresso social e económico.

Daí que Jerónimo de Sousa tenha insistido, ao longo da jornada, que vale sempre a pena votar na CDU, que a confiança depositada na sigla PCP-PEV nunca é traída nem em é vão. Ao invés, conta sempre na denúncia, reivindicação e resolução dos problemas das populações.

Provas dadas

Tudo isto ficou patente logo na primeira paragem, em Parada de Todeia, freguesia de gestão CDU no concelho de Paredes. Ali, o povo vê traduzida na prática a consigna trabalho, honestidade e competência. Bom e, mais importante, útil, seria que a experiência frutuosa do povo de Parada de Todeia fosse mais conhecida e valorizada no concelho, designadamente com um reforço da votação para órgãos municipais e a eleição de um vereador, apelou o cabeça-de-lista à Câmara Municipal de Paredes pelo PCP-PEV, Álvaro Pinto, que antecedeu Jerónimo de Sousa no período de intervenções que se seguiu ao almoço.

Logo depois, o Secretário-geral do Partido integrou um desfile na Freguesia de Ermesinde, Valongo. A confiança num avanço eleitoral da CDU no concelho marcou o tom do desfile e dos discursos, ocorridos já na Praça da Estação. Certeza de um bom resultado que não se estriba apenas no entusiasmo que rodeou a iniciativa, mas sobretudo na convicção de que será reconhecida nas urnas a intensa e profícua intervenção efectuada pelo eleito da CDU no município de Valongo e primeiro candidato àquele órgão, Adriano Ribeiro.

Confiança observou-se, igualmente, em Matosinhos, onde Jerónimo de Sousa acompanhou o cabeça-de-lista da CDU à autarquia, José Pedro Rodrigues, numa arruada entre a Anémona e o monumento aos pescadores. Foi aqui, perante centenas de pessoas, que depois de José Pedro Rodrigues ter feito um balanço muito sumário do trabalho enquanto vereador com o pelouro da Mobilidade e dos Transportes, o dirigente comunista salientou um outro elemento que distingue a CDU das demais forças políticas: a prestação de contas de cara levantada por parte dos nossos eleitos, mostrando que o PCP-PEV honra a palavra dada e se encontra comprometido somente com os trabalhadores e o povo.

Razões acrescidas

O périplo do Secretário-geral do PCP a Norte terminou com um comício em Guimarães, no qual para além de saudar os candidatos às 48 freguesias e de voltar a destacar o papel desempenhado pelos primeiros candidatos da CDU à Câmara e Assembleia municipais vimaranenses, o actual vereador Torcato Ribeiro e a deputada municipal Mariana Silva – sem os quais, de resto, «muitos dos problemas mais sentidos no concelho não teriam sido sequer debatidos», notou, Jerónimo de Sousa explicou por que razão é que no actual contexto o voto na CDU tem acrescido valor.

Muito do que foi possível reconquistar ao nível de direitos e rendimentos na actual fase da vida política nacional, mesmo que insuficiente e aquém das necessidades, resultou da insistência do PCP. O caso do aumento das pensões de reforma que se verificou a partir do actual mês de Agosto é paradigmático, pois enquanto o Governo do PS e o BE pretendiam ficar-se pelo seu descongelamento, o Partido não abdicou de aumentos reais, os quais, além do mais, sinalizam a inversão da lógica de cortes imposta pelo anterior executivo PSD/CDS.

Dar força à luta pela conquista de mais direitos e melhores rendimentos, à exigência de medidas concretas que combatam os flagelos e sociais e enfrentem os constrangimentos que amarram o País, já no próximo Orçamento do Estado para 2018, é, por isso, uma razão acrescida para fazer crescer a CDU em número de votos e mandatos, concluiu.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: