Não há corrida como a da Festa

Importa saber quem ganhou a Corrida, e já lá vamos, mas importa também dizer que foi um mar de atletas, federados ou não, bem como de caminhantes, que cobriram um percurso deslumbrante, com a Baía do Seixal à mão, as chaminés do Barreiro lá à frente e Lisboa inundada de luz avistada ao longe. Mais de 1600 corredores, cerca de 1400 caminheiros, números que nos dão uma noção da importância da prova.
Os atletas, que partiram da porta da Quinta do Cabo e cortaram a meta traçada nas imediações do lago, 11 mil metros com alguns acidentes de nível, começaram a palmilhar a distância logo que a deputada Diana Ferreira deu o tiro de partida.
Assistiu-se desde logo a uma luta intensa entre Pedro Arsénio (Beja Atlético Clube), que viria a ganhar em grande estilo, e um punhado de outros atletas, entre os quais Nelson Cruz (Clube Pedro Pessoa), campeão nacional de corta-mato e vencedor da última edição da prova, que foi segundo. O terceiro lugar foi para um atleta do Sporting, Miguel Marques.
Em femininos, Ana Dias (Núcleo Desportivo e Cultural de Odemira) ganhou com uma certa largueza, mas foi acesa a luta pelos outros lugares do pódio, aos quais subiram Tânia Silva (Liberdade Futebol Clube) e Charlotte Beker (individual).
Colectivamente, os Ingleses F Clube foram mais fortes que o Clube Pedro Pessoa (2.º) e o Vitória Futebol Clube.
Outros vencedores: juniores – Lara Glória (casa do Povo de Corroios) e Davis Tavares (Ingleses F Clube); seniores – Ana Dias e Miguel Marques; veteranos I – Anabela Delgado (Vitória Futebol Clube) e Pedro Arsénio; veteranos II – Verónica Romeiro (ind) e Nélson Cruz; veteranos III – Lurdes Pereira (Ao Ritmo das 200ppm) e Artur Santiago (Bombeiros Voluntários do Dafundo); veteranos IV – João Ginja (ind) e Jorge Cruz (Amigos Atletismo de Mafra); veteranos V – João Veiga (CPP) e veteranos VI – Silvestre Gomes (Vitória FC).

 

É para quem tem pernas

Ana Dias explicou ao Avante! como apareceu na Corrida da Festa. «É a primeira vez que participo. O meu pai queria vir à Festa e acabámos por vir todos. Então inscrevi-me, corri e ganhei. Na verdade o trajecto tem algumas subidas, é bom, é para quem tem pernas». A atleta confessou as suas dificuldades para quem, como ela, tem que conciliar o trabalho, «por vezes, 12 horas por dia», com os treinos.

 

Foi muito difícil

O vencedor Pedro Arsénio, que foi segundo o ano passado e no próximo dia 24 correrá em Pequim, disse que a vitória foi difícil, «pois os adversários eram muito fortes, sobretudo, o campeão nacional de corta-mato, Nelson Cruz». Quanto ao ambiente, «é muito bom, revemos os amigos, criamos amizades». Portanto, «para o ano cá estarei, seja ou não para entrar na Corrida».

 

Marco Chagas na Festa

O comentador desportivo e antigo ciclista coleccionador de títulos nacionais e internacionais, Marco Chagas, esteve na Festa e visitou o espaço desportivo, onde o encontrámos. Sempre afável, conhecido pelas suas qualidades humanas, disse-nos que esta é a segunda vez que vem à Atalaia. «Estive aqui em 2002 e adorei. O problema é que a Festa coincide com os festejos da minha terra, data em que sou muito solicitado. Só não conhecia a parte nova. Estou maravilhado com este ambiente, com o espaço e tudo que o envolve».

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: