Breves
Greve na CM Braga

Reunidos no dia 12, terça-feira, em plenário, os trabalhadores da Câmara e empresas municipais de Braga marcaram greve para todo o dia 22 de Setembro, para dar força à reivindicação de 35 horas de trabalho para todos. Aos jornalistas, um dirigente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local (STAL/CGTP-IN) explicou que há trabalhadores no universo municipal que cumprem a semana de trabalho de 35 horas, enquanto outros fazem 40. Citado pela agência Lusa, Baltazar Gonçalves acusou o presidente da CMB, Ricardo Rio (PSD/CDS-PP/PPM), de não querer resolver este problema por uma questão política.
Uma delegação da CDU esteve no plenário, reafirmando solidariedade aos trabalhadores municipais. Carlos Almeida, vereador e primeiro candidato da CDU nas próximas eleições para a Câmara, voltou a colocar-se ao lado dos trabalhadores do município na defesa das 35 horas para todos, pondo fim à discriminação que hoje se faz sentir.


Hotelaria da Madeira

O Governo Regional da Madeira está a voltar as costas aos cerca de cinco mil trabalhadores do sector e mostra-se conivente com o patronato, acusou o Sindicato dos Trabalhadores da Hotelaria da Madeira, no dia 5, numa iniciativa realizada em frente à Quinta Vigia, no Funchal. Dirigentes do sindicato da Fesaht/CGTP-IN e outros trabalhadores, como relatou a agência Lusa, entregaram documentos em várias línguas às pessoas que passavam, expondo a sua situação laboral e exigindo que sejam aumentados também os salários dos trabalhadores, numa situação caracterizada pelos sucessivos lucros das empresas.


Polícias contra discriminação

A Comissão Coordenadora Permanente dos Sindicatos e Associações Profissionais das Forças e Serviços de Segurança (CCP) exigiu o descongelamento das carreiras em 2018, sem exclusão dos profissionais dos sectores da segurança interna, cuja discriminação seria um acto «injusto, desproporcionado e discriminatório». A CCP, reunida no Porto a 31 de Agosto, decidiu promover uma acção nacional de protesto, a 12 de Outubro, se a discriminação se confirmar.