Aconteu
20% dos trabalhadores recebem salário mínimo

Mais de 700 mil trabalhadores, representando 21,6 por cento do total de empregados, foram declarados à Segurança Social, em Setembro, como auferindo o salário mínimo nacional (SMN).

Segundo um relatório divulgado pelo Governo, dia 5, o número de trabalhadores com a remuneração mínima aumentou em 65,5 mil, ou seja, uma subida de 9,4 por cento em relação a 2016.

Dados relativos a Abril último, citados pela agência Lusa, indicam que 54 por cento das mulheres empregadas recebem o SMN.

No comércio e na reparação automóvel, 21,1 por cento dos trabalhadores são remunerados com o SMN, percentagem que se situa na indústria em 20,7 por cento.


Ensino superior perdeu financiamento do Estado

O Ensino Superior perdeu 42 milhões de euros em 2016 face à execução orçamental de 2015, segundo o relatório «Estado da Educação 2016», do Conselho Nacional de Educação.

A despesa do Estado fixou-se em 1048 milhões de euros, valor que é o mais baixo desde 2012. Em contrapartida as propinas pagas pelos estudantes atingiram os 317 milhões de euros em 2016, valor que é o mais elevado desde 2007.

O relatório refere ainda que as escolas públicas do pré-escolar ao Ensino Secundário perderam mais de 30 mil professores nos últimos dez anos.

A taxa de abandono precoce atingiu os 14 por cento, contrariando a tendência de diminuição que se vinha a verificar nos últimos anos.


Médicos internos insatisfeitos com SNS

Um estudo realizado na região Norte em colaboração com a Ordem dos Médicos mostra que apenas cercas de um terço dos internos afirma que «provavelmente» ou «definitivamente» permanecerá no sector público.

Quase metade equaciona a possibilidade de exercer medicina no estrangeiro após o internato em Portugal.

O inquérito, divulgado dia 11, indica que a remuneração, as condições físicas e de equipamentos, o número de horas de trabalho e a progressão na carreira são os aspectos que mais levam os médicos a sair do Serviço Nacional de Saúde.


Bonecos de Estremoz são património da UNESCO

A UNESCO classificou como Património Cultural Imaterial da Humanidade a produção dos «Bonecos de Estremoz».

A decisão foi tomada, dia 7, na 12.ª Reunião do Comité Intergovernamental da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) para Salvaguarda do Património Cultural Imaterial.

Os «Bonecos de Estremoz» pertencem a uma arte de carácter popular, com mais de 300 anos de história, sendo o primeiro figurado do mundo a merecer a distinção da UNESCO, na sequência da candidatura apresentada pela Câmara Municipal de Estremoz, no distrito de Évora.


Cristiano Ronaldo é «Bola de Ouro»

O português Cristiano Ronaldo ganhou, dia 7, pela quinta vez, a Bola de Ouro, prémio atribuído pela revista francesa France Football ao melhor futebolista do ano.

O jogador, que conquistou em 2017 a Liga dos Campeões, a Liga espanhola, a Supertaça europeia e a Supertaça espanhola pelo Real Madrid, igualou os cinco troféus do argentino Lionel Messi (2009 a 2012 e 2015).

Ronaldo já tinha conquistado a Bola de Ouro em 2008, 2013, 2014 e 2016.


A criança símbolo de esperança do neo-realismo

A criança como ícone da esperança, da emancipação social e da potência de futuro está no centro de uma exposição que é hoje, quinta.feira, 14, inaugurada na quinta-feira, no Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira.

«Miúdos, a vida às mãos cheias – A infância do Neo-Realismo português» é o título desta mostra, com curadoria de Carina Infante do Carmo e Violante F. Magalhães.

O tópico da infância foi «uma das dimensões mais significativas da construção da contra-hegemonia cultural do neo-realismo à política salazarista», declararam as responsáveis à agência Lusa.

Entre finais da década de 1930 e 1960, os neo-realistas apostaram nas expressões artísticas sobre as crianças, e a partir de finais dos anos 1940, escrevendo para crianças, valorizando o cruzamento artístico da literatura, da ilustração, fotografia e da música.



Resumo da Semana
Frases