Os custos para a economia cubana são enormes
Justeza do fim do bloqueio dos EUA emerge de visita de deputados do PE a Cuba

CUBA Deputados do GUE/NGL deslocaram-se a Cuba para aprofundar o conhecimento sobre a situação daquele país, tendo constatado as consequências do agravamento do bloqueio imposto pelos EUA.

LUSA

Image 24471


João Pimenta Lopes, deputado do PCP no Parlamento Europeu (PE) integrou a delegação de nove deputados do Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Verde Nórdica (GUE/NGL) que esteve em Cuba de 14 a 16 de Fevereiro, a convite da Assembleia Nacional do Poder Popular (ANPP). O objectivo foi aprofundar o conhecimento sobre a actual situação política, económica e social em Cuba, a par dos desenvolvimentos relativos ao diálogo entre Cuba e a União Europeia, assim como as consequências do agravamento do bloqueio imposto pelos EUA contra Cuba e o seu povo.

A visita incluiu diversos encontros na ANPP, entre os quais com Ana Mari Machado, vice-presidente, e com Fernando Rojas, vice-ministro da Cultura. A delegação teve ainda a oportunidade de reunir com Abelardo Moreno, vice-ministro das Relações Exteriores de Cuba, e com Juan Carlos Marsán, chefe-adjunto do Departamento de Relações Exteriores do Comité Central do Partido Comunista de Cuba, para além de reuniões e visitas a instituições de saúde, de educação e de cultura.

Agravamento

Um dos aspectos que centrou a atenção da delegação foi o criminoso bloqueio que os EUA impõem há já quase 60 anos contra Cuba, registando o brutal impacto deste e as suas consequências: nenhuma área ou sector são poupados observando-se dificuldades nas mais diversas esferas da vida – das actividades comerciais à circulação de pessoas; da agricultura e alimentação à biotecnologia; da industria farmacêutica à saúde e educação; da cultura e do desporto às comunicações e infra-estruturas e ao turismo.

Os custos para a economia cubana são enormes. No período entre Abril de 2016 e Junho de 2017 os prejuízos calculados ascenderam a 4,305 mil milhões de dólares, uma soma impressionante se tomarmos em conta que as necessidades de investimento anual para o desenvolvimento da economia cubana se fixam em torno dos 2,5 mil milhões de dólares. As autoridades cubanas estimam, a preços correntes, num total de 130 mil milhões de dólares os prejuízos totais provocados pelo bloqueio norte-americano.
Dado o carácter extraterritorial do bloqueio – que na prática significa que países terceiros cedam na sua soberania ao admitirem, sob ameaça de sanções ou cumplicidade política, a aplicação no seu território das leis norte-americanas que determinam o bloqueio – os seus impactos não atingem somente Cuba. São na ordem das dezenas de milhares de milhões dólares as multas aplicadas pelos EUA, nomeadamente a entidades bancárias de países terceiros por realizarem transacções com Cuba – 14 mil milhões só durante a administração Obama.

Saliente-se que o mesmo tipo de sanções está agora a ser imposto pelos EUA contra a Venezuela, provocando graves dificuldades na vida do povo venezuelano.

A actual administração norte-americana está a agravar o bloqueio contra Cuba, com retrocessos temporais que recuam aos tempos de Jimmy Carter, na década de 70. Neste contexto, compreende-se a importância do incremento da solidariedade com Cuba, da denúncia do bloqueio imposto pelos EUA, da exigência do fim deste instrumento de agressão ao povo cubano.

Confiança e determinação

Não obstante as dificuldades impostas pelo bloqueio, impressionam os avanços que a revolução cubana logrou, resultando evidente o quão mais poderia o povo cubano alcançar se o bloqueio não existisse. Cuba é hoje um território livre de desnutrição infantil; está entre os 20 países do mundo com menor taxa de mortalidade infantil; oferece educação e saúde gratuitas a toda a sua população.
Actualmente decorre em Cuba o processo eleitoral, que culminará na eleição dos 605 deputados da ANPP um longo processo marcado pela elevada participação popular, no qual, a partir das comunidades, se elegeram os delegados locais (mais de 12500) donde, por sua vez, sairão os candidatos a deputados. Este processo garante que, por exemplo, o parlamento cubano seja o segundo do mundo com maior representação de mulheres (53 por cento), apresentando, ainda, uma elevada representatividade dos diversos sectores sociais e produtivos.

A revolução segue determinada e alicerçada, como afirmam as autoridades cubanas, num amplo consenso nacional, onde as soluções para os problemas e desafios são debatidas e encontradas pelo povo cubano, tal qual sucede há 60 anos.
Em nome do PCP, João Pimenta Lopes teve a oportunidade de reafirmar a solidariedade dos comunistas portugueses para com a revolução cubana e o seu povo, assim como o compromisso de prosseguir as acções de denúncia e exigência do fim do bloqueio norte-americano contra Cuba.


Cuba e a UE

Abordado durante a visita foi o importante significado dos avanços nas relações entre Cuba e a UE e, ao nível bilateral, com os diferentes países que a integram. Os países que integram a UE, no seu todo, são hoje o segundo maior parceiro comercial de Cuba e o segundo maior financiador de investimento para o desenvolvimento no país.

No entanto, importa superar o atraso na ratificação por parte dos estados-membro do Acordo de Diálogo e Cooperação entre Cuba e a UE. Até este momento, apenas 11 países ratificaram o acordo, sendo que, incompreensivelmente, o Governo português não tomou ainda as medidas necessárias para o fazer.

As autoridades cubanas afirmaram que as relações entre Cuba e a UE devem ser baseadas numa base de respeito mútuo, salvaguardando os interesses do povo cubano e os princípios da revolução, rejeitando uma qualquer iniciativa de estabelecer um acordo de livre comércio, já que, consideram, tal seria um acordo entre parte desiguais.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: