Falta de respostas do Governo traz lesados pelos incêndios à rua

Quatro meses depois dos violentos incêndios que deflagraram particularmente na região centro do País, os agricultores e produtores lesados consideram «insuficientes» e mesmo «desadequadas» as medidas de apoio avançadas e anunciadas pelo Governo.

Em nota à comunicação social, a Comissão Inter-Concelhos dos Afectados pelos Incêndios, a Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra, o Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões e a Confederação Nacional da Agricultura lembram que o ministro da Agricultura ainda não respondeu ao caderno de reclamações que lhe foi entregue no dia 2 de Fevereiro, em Lisboa.

As organizações solicitaram, entretanto, ao primeiro-ministro que os receba até ao final de Fevereiro e ponderam requerer uma audiência à Comissão de Agricultura e Mar da Assembleia da República. Caso as principais reclamações não sejam atendidas, os agricultores e produtores florestais prometem realizar uma nova acção de luta já em Março.

Entre outras medidas, reivindica-se do Governo a «reabertura urgente das candidaturas simplificadas com os apoios anteriores», «passar da candidatura simplificada para a “medida” 6.2.2. e vice-versa», «correcção das candidaturas», criação de um «crédito bonificado altamente bonificado e a médio ou longo prazos, especialmente destinado à recuperação, pelos lesados, das actividades produtivas afectadas», «medidas urgentes de apoio para florestação, limpeza, corte e replantação» e «ajudas para compensar as perdas de rendimento na actividade agrícola, agro-pecuária e agro-florestal».




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: