Breves
Lula promete luta

Lula da Silva criticou os juízes que o declararam culpado de corrupção, acusação que, se for ratificada, o impedirá de concorrer às eleições de Outubro.

O ex-presidente da República do Brasil (2003-2007), de 72 anos, disse à Reuters esperar que o Supremo Tribunal Federal analise o processo, reveja os testemunhos e as provas e tome uma decisão.

Em 2017, no quadro do processo «Lava Jato», Lula foi considerado culpado e condenado por aceitar subornos da empresa OAS em troca de contratos com a Petrobras. Se o tribunal ratificar a sentença, a 15 de Agosto, Lula não poderá ir a votos. «Estou tranquilo, estou certo de que serei absolvido», assegurou.


Greve de docentes nos EUA

As escolas públicas da Virgínia Ocidental, nos Estados Unidos, continuavam encerradas na segunda-feira, 5, pelo oitavo dia, devido a uma greve dos professores que exigem aumento salarial.

Os docentes e o governador Jim Justice chegaram a acordo para um aumento de 5% dos salários, mas o Senado estadual travou a medida.

A greve teve início a 22 de Fevereiro, abarca 20 mil professores e paralisa 277 mil alunos em 55 condados. É a primeira greve do género em 28 anos, na Virgínia Ocidental.


China vai crescer mais

O Produto Interno Bruto (PIB) da China vai crescer 6,5% em 2018. O governo chinês planeia criar milhões de empregos, activar o comércio exterior e acelerar a luta contra a pobreza e os problemas ambientais.

O primeiro-ministro, Li Keqiang, afirmou na sessão plenária da Assembleia Popular Nacional (parlamento), em Pequim, que a meta do PIB será a mesma de 2017 e que se vai trabalhar para alcançá-la e superá-la, como aconteceu no ano passado, em que o crescimento foi de 6,9%.

A China pretende manter a inflação nos três pontos percentuais, criar 11 milhões de postos de trabalho em areas urbanas e evitar que o desemprego ultrapasse os 5,5%.


RASD defende recursos

O Supremo Tribunal da África do Sul sentenciou que um carregamento de fosfato dos territórios ocupados do Saara Ocidental, exportado por Marrocos para um comprador na Nova Zelândia, é propriedade da República Árabe Saaráui Democrática (RASD).

Em 2017, as autoridades confiscaram as 55 mil toneladas de fosfato transportadas no navio «Cherry Blosom», registado nas Ilhas Marshall, quando escalava Port Elizabeth, na África do Sul.

Um dirigente da Frente Polisário, Emhamed Khadad, declarou que este caso «é parte dos esforços do povo saaráui visando utilizar o direito internacional para chegar a um final justo da ocupação ilegal e desumana e salvaguardar o direito do nosso povo ao mais fundamental dos direitos humanos, a autodeterminação».


Tillerson viaja por África

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, realiza em Março a sua primeira viagem oficial por África, visitando cinco países.

O Departamento de Estado anunciou que Tillerson visitará Chade, Djibuti, Etiópia, Quénia e Nigéria.

O chefe da diplomacia estado-unidense vai reunir-se com os líderes desses estados e, em Adis Abeba, terá também encontros com representantes da União Africana. Planeia «abordar formas para trabalhar contra o terrorismo, promover a paz, a segurança e a boa governança e estimular o comércio e o investimento».


Austrália quer livre comércio

O primeiro-ministro australiano, Malcom Turnbull, defendeu o livre comércio para fazer frente às estratégias estado-unidenses de proteccionismo.

A imprensa de Camberra tem dedicado atenção às intenções do presidente Donald Trump de impor barreiras alfandegárias às importações de aço (25%) e alumínio (10%).

O Fundo Monetário Internacional considera que as barreiras anunciadas podem prejudicar a economia dos EUA e a União Europeia, o Canadá e o México encaram medidas de represália, o que poderia desencadear uma guerra comercial.