Almada precisa dos «51»

Para exigir que a Câmara Municipal de Almada regularize o vínculo precário de 51 trabalhadores da higiene urbana e limpeza, o STAL levou a cabo no dia 29 de Março uma iniciativa pública, com centena e meia de participantes, que começaram por se concentrar na «rotunda dos bancos», desfilando depois, em manifestação, até aos Paços do Concelho, afirmando que «somos todos 51».

Esta acção, decidida uma semana antes em plenário, insere-se na resposta dos trabalhadores à decisão do Executivo de não integrar no quadro de efectivos aqueles 51 funcionários, que foram inicialmente contratados para a época de Verão, mas acabaram por ser integrados em postos de trabalho que correspondem a necessidades permanentes.

A Comissão Sindical do STAL no município defende que, por este motivo e para não prejudicar as condições em que é prestado o serviço à população, devem ser usadas as possibilidades abertas com a Lei 112/2017, evitando os despedimentos.

Uma resolução aprovada no final foi entregue ao vice-presidente da CMA, mas este reiterou à delegação sindical que não vai ser alterada a decisão.

Foi convocado novo plenário para ontem, dia 4, mas a resposta tardia ao pedido de dispensa e o facto de esta ser dada na sua forma mais restritiva, levou ao adiamento. Os trabalhadores estão convocados para um plenário geral amanhã, dia 6, das 8 às 12 horas, no Vale Figueira Parque, para analisar a situação e decidir próximas formas de luta.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: