Breves
VIGILÂNCIA PRIVADA
PCP promove audição pública

A deputada comunista Diana Ferreira participou recentemente numa audição pública sobre o sector da vigilância privada, inserida na campanha «Valorizar os Trabalhadores. Mais Força ao PCP». Participaram diversos trabalhadores que partilharam os seus testemunhos, anseios e preocupações. Há muito que o PCP vem acompanhando a realidade laboral neste sector, marcada pelo desrespeito pela contratação colectiva e o incumprimento dos direitos dos trabalhadores, ao nível do pagamento do trabalho extraordinário e nocturno, da desregulação dos horários ou do desrespeito pelo tempo de descanso. Também lhes são atribuídas tarefas que não fazem parte das suas funções. Um dos exemplos referidos na audição refere-se aos vigilantes do Porto de Aveiro, que pagam a formação específica do seu próprio bolso e não têm tempo de fazer qualquer pausa, pois encontram-se sozinhos nas portarias. Além disso, desempenham funções de risco pelas quais não são adequadamente remunerados. A deputada Diana Ferreira comprometeu-se a levar à Assembleia da República as propostas e sugestões dos trabalhadores.


ANADIA
Exploração na Sanitana

Uma delegação do PCP esteve há dias junto às instalações da Sanitana, em Anadia, a dar a conhecer o conteúdo da campanha nacional pela valorização dos trabalhadores. Nessa empresa, dedicada ao fabrico de louça sanitária, muitos dos 540 trabalhadores têm vínculos precários, alguns dos quais são mesmo subcontratados a empresas de aluguer de mão-de-obra. Como consequência destas relações laborais, os salários são baixos e os ritmos de trabalho desumanos. Os comunistas reafirmaram, na ocasião, que a cada posto de trabalho permanente tem de corresponder um contrato efectivo.


GRANDE LISBOA
Por um transporte fluvial de qualidade

No dia 17, os deputados do PCP Ana Mesquita, Bruno Dias, Paula Santos, Francisco Lopes e Miguel Tiago embarcaram nos cais da Trafaria, Cacilhas, Seixal, Barreiro e Montijo e cruzaram o Tejo de barco. Durante a travessia, distribuíram folhetos nos quais o PCP considera que a aquisição de 10 novas embarcações, anunciada pelo Governo, é insuficiente para resolver os problemas do serviço prestado pela Transtejo e Soflusa. Para o Partido, há medidas imediatas que poderiam já estar a ser implementadas, como é o caso do reforço orçamental de 10 milhões para as duas empresas, não fosse a oposição do Governo e do PS.