• Ângelo Alves
    Membro da Comissão Política

Tudo o que foi conseguido com a Revolução foi conquistado a pulso
Abril e Maio memória, luta e futuro

O 1.º de Maio de 1974 foi o grande momento, extraordinário pela sua dimensão, conteúdo e compromisso, que confirmou o 25 de Abril. As massas trabalhadoras e populares fizeram desaguar num mar de gente, nas fábricas e nas ruas, a luta que durante décadas combateu a ditadura fascista e a derrotou. Esse facto determinou o rumo da Revolução e do nosso País.

A Revolução de Abril é um dos maiores feitos do nosso povo, uma das suas mais importantes realizações históricas, um notável acto de emancipação social e nacional, que transformou profundamente a realidade nacional e que tem influência na evolução do País até aos dias de hoje.

O 25 de Abril não teria existido, ou não teria sido o que foi – uma Revolução – se não tivesse germinado numa longa e heróica luta dos trabalhadores, do povo, de muitos democratas e patriotas, entre os quais e com justo destaque, os comunistas. Foi essa germinação, o conteúdo de classe das lutas que desgastaram o regime fascista e a natureza política do caminho traçado para o derrubamento do fascismo, que abriram caminho à explosão de vontades, criatividade revolucionária, energia popular, convicções e determinação do povo que foi a Revolução de Abril.

Foi o poderoso movimento popular que imediatamente saiu às ruas que determinou a Aliança Povo-MFA. E foi a força de Maio, onde desaguaram num mar de gente as lutas que fizeram Abril, que garantiu que o derrubamento da ditadura se confirmasse e se fizesse Revolução. Uma Revolução transformadora com enormes realizações, que se materializou nas conquistas económicas, sociais, políticas e culturais que, em ruptura profunda com o passado, foram sendo definidas e alcançadas pelo povo que assumiu o papel de obreiro e dono do seu próprio destino.

A Revolução de Abril foi um notável processo de participação e de exercício da soberania, defensor do interesse nacional. Sublinhar esta vertente da Revolução de Abril tem ainda mais importância quando vários tentam desvalorizar o valor da participação popular e democrática na vida política nacional (nomeadamente a participação organizada nos sindicatos ou partidos políticos) e quando se continuam a desenvolver processos que atentam contra a soberania e o interesse nacional, tentando desligá-lo do interesse das massas trabalhadoras e populares do nosso País.

Lições de Abril e Maio

As lições de Abril e Maio são imensas e muitíssimo ricas. Mas há uma que devemos reter sempre: tudo aquilo que foi conseguido com a Revolução de Abril não foi oferecido ao povo português, foi conquistado, a pulso, conquista a conquista, desde a liberdade até aos direitos consagrados na Constituição da República Portuguesa.

Este é um ensinamento que devemos ter muito presente nos dias de hoje. As conquistas e avanços alcançados nos últimos dois anos e meio só foram possíveis porque os trabalhadores e o povo nunca desistiram de lutar contra os ataques a Abril e às suas conquistas e porque, no quadro da actual fase da vida política nacional, continuam a desenvolver uma intensa acção e luta em defesa dos seus direitos e justas aspirações, tendo ao seu lado o nosso Partido.

Comemorar Abril é mais que nunca ter a certeza de que a luta vai continuar, que ela é fundamental para derrotar a política de direita, e que o futuro deste país está nas mãos do seu povo! A memória histórica diz-nos que as conquistas e os direitos nunca nos são entregues de mão beijada, são alcançados e defendidos pela luta. O 1.º de Maio será mais um ponto alto de convergência dessa luta que continua e que de cravo na mão constrói o futuro!




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: