“Subidas acentuadas dos preços do petróleo levam frequentemente a períodos de fraqueza económica.”

(Nota do Commerzbank,
Dinheiro Vivo, 25.5.18)

 

“Mesmo que a subida nos preços do petróleo chegue a um fim, os aumentos até à data terão consequências para o crescimento.”

(Idem, ibidem)

 

“Sem apoios não garanto que haja transporte público no curto prazo.”

(Luís Cabaço Martins,
Negócios, 25.5.18)

 

“A República Popular da China não olharia para Portugal se não nos reconhecesse valia geoestratégica.”

(Ana Paula Vitorino,
Expresso, 26.5.18)

 

“O sistema informático do Fisco está arcaico.”

(Paulo Ralha,
Correio da Manhã, 26.5.18)

 

“Os planos Regionais de Ordenamento Florestal estão politicamente orientados e são preconceituosos. Tendem a municipalizar a política florestal, o que pode ser um erro.”

(Diogo da Silveira,
Negócios, 28.5.18)

 

“Os carros a diesel estão acabados. Penso que dentro de poucos anos eles irão desaparecer completamente.”

(Elzbieta Bienkowska,
Eco, 28.5.18)

 

“Em Portugal, apesar de se verificar um crescimento da economia, as empresas continuam a acumular dívidas incobráveis.”

(Intrum European Payment Report,
Observador, 28.5.18)

 

“Já estamos habituados que, nos congressos, os partidos que estão no poder chegam ali e fazem um desenho fantástico do país que não corresponde à realidade.”

(Rui Rio,
Lusa, 28.5.18)