O Sim à despenalização ganhou com uma ampla maioria de votos
Vitória da despenalização do aborto festejada na Irlanda

REFERENDO Os irlandeses festejaram a esmagadora vitória do «sim» à despenalização da interrupção voluntária da gravidez, num referendo histórico realizado num país de forte tradição católica.

Com 66,4 por cento dos votos, os eleitores irlandeses aprovaram a alteração da Constituição com vista a legalizar o aborto. Os resultados oficiais da consulta, divulgados dia 26, indicam que 64,1 por cento dos cerca de 3,5 milhões de inscritos participaram no sufrágio realizado na véspera.

Na capital irlandesa, as redondezas do Castelo de Dublin foram invadidas por uma multidão que festejou o resultado com gritos de alegria e lágrimas de emoção.

Para o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar (democrata-cristão), tratou-se de uma «revolução tranquila que ocorreu nos últimos dez ou vinte anos», declarou à cadeia pública RTE, assegurando que as urnas lhe deram um mandato firme para suavizar a legislação vigente, uma das mais duras da Europa.

«As pessoas disseram que queremos uma Constituição moderna para um país moderno, que confiamos e respeitamos as mulheres para tomarem as decisões correctas sobre a sua própria saúde», acrescentou o chefe do governo que apoiou activamente a campanha do Sim.

O primeiro-ministro comprometeu-se a apresentar um projecto de lei até ao Verão, que deverá permitir que as mulheres interrompam voluntariamente a gravidez nas primeiras 12 semanas e até às 24 semanas por razões de saúde.

O governo prevê que o projecto seja aprovado até ao final do ano sem entraves de maior, dado que os principais partidos da oposição (Fianna Fail e Sinn Fein) apoiam a reforma.

Até ao momento, a interrupção da gravidez apenas era permitida nos casos em que estava em perigo a vida da mãe, situação que só foi contemplada na lei em 2013. Antes a proibição era total.

Estima-se que mais de três mil mulheres viajam anualmente para o Reino Unido para abortar em segurança.

PCP solidário

De referir que, a convite do Partido dos Trabalhadores da Irlanda, Inês Zuber, em representação do PCP, participou no passado dia 12, em Dublin, num debate público a favor do 'Sim'. Para além da sua própria campanha, o PT integrou o Movimento Nacional “Together for Yes”, que defende o direito da mulher a escolher e a realizar o aborto de forma segura e com assistência médica.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: