Atenção especial foi dada à precariedade dos vínculos laborais
Valorização do Trabalho em debate na Madeira

PCP Mais de uma centena de militantes comunistas debateram, dia 26 de Maio, o mundo do trabalho na Região Autónoma da Madeira (RAM). No final foi aprovada uma resolução com o diagnóstico da realidade e as propostas do Partido.

No Encontro intervieram o responsável do PCP pela Organização Regional, Edgar Silva, e Francisco Lopes, membro do Secretariado e da Comissão Política do Comité Central e deputado à Assembleia da República. Da iniciativa realizada no Centro Cívico de Santo António, no Funchal, resultou um documento que avança orientações de política económica e social que, a serem concretizadas, contribuiriam para uma região mais justa e mais desenvolvida assente na valorização do trabalho e dos trabalhadores.

Propõe-se, entre outros aspectos centrais de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, a «afirmação do trabalho com direitos» e «uma significativa melhoria dos salários», neste último aspecto através do aumento do Salário Mínimo Nacional para os 650 euros, com o acréscimo de 7,5 por cento na Região Autónoma da Madeira (RAM), e a garantia de que todos os trabalhadores recebem o Subsídio de Insularidade. Defende-se, ainda, a redução do horário de trabalho semanal para as 35 horas, o fim da caducidade da contratação colectiva e a reposição na legislação laboral do princípio do tratamento mais favorável para o trabalhador.

Precariedade e luta

Atenção especial no Encontro Regional sobre o Mundo do Trabalho foi dada à precariedade dos vínculos laborais, designadamente insistindo-se na necessidade de criar um plano regional de combate ao flagelo e de combater o uso abusivo dos programas de ocupação de desempregados, ao abrigo dos quais, nota-se igualmente na resolução, se estima que se encontrem cerca de 3000 trabalhadores na RAM.

Em vez de servirem de instrumento para integrar no mercado de trabalho desempregados de longa duração e jovens, os programas ocupacionais estão a ser utilizados para suprir postos de trabalho em funções permanentes, na Administração Pública e em associações privadas sem fins lucrativos. Daqui resulta um círculo vicioso que empurra o trabalhador para um contrato precário, findo o período ocupacional, com a Segurança Social a pagar o fundamental da remuneração, e deste para o desemprego, ingressando, de novo, em situação ocupacional com o consequente recomeço de todo o processo.

«Estes trabalhadores não têm qualquer direito laboral, não podem estar sindicalizados» e constituem «um exército de desempregados», um contingente de «mão-de-obra praticamente de borla» forçada a trabalhar «pelo direito a um subsídio», sublinha-se no documento, que concluiu que o reforço da luta de massas, do PCP e da sua influência e organização entre estas és fundamental para reverter a actual situação.


Alarmante

  • Estima-se que 40 por cento dos pobres na RAM sejam trabalhadores, confirmando que os baixos salários e a precariedade são os principais factores da pobreza e da exclusão social;

  • Os dados estatísticos mais recentes indicam que mais de 19 mil trabalhadores madeirenses e portossantenses laborem em regime precário, auferindo remunerações, em média, entre 30 a 40 por cento menores do que um trabalhador com vínculo efectivo;

  • Dados do IEFP referentes ao último trimestre de 2017 mostram que mais de 40 por cento das novas inscrições foram de trabalhadores cujo vínculo laboral chegou ao fim.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: