Auditório Manuel de Falla celebra 40 anos

Manuel de Falla, o genial e mais universal compositor espanhol, nasceu em Cádiz, em 1876, mas foi em Granada que viveu os mais criativos anos da sua vida. Nesta cidade, que o considera um expoente do seu património cultural nacional, encontra-se a sua Casa/Museu. Em 1962, o Ayuntamento de Granada decidiu comprar a moradia com jardim onde o compositor viveu até 1939, perto de Alhambra, para a transformar em Museu. Falla saíra de Espanha após a viória do franquismo, exilando-se na Argentina, onde morreu em 1946. Na casa em que convivera com García Lorca, uma das primeira vítimas da Guerra civil, e se correspondera com Ravel, Dukas, Poulenc, Milhaud, Stravinsky, Bártok, Prokofiev, entre outros, deixou o seu piano, a mesa de trabalho, a cama... e muitas das ofertas que recebeu de figuras tão ilustres como Picasso, Miguel de Unamuno ou Daniel Vázquez Días. A decisão de expandir o Museu com um auditório dotado de diversas instalações, zona de exposições e espaço para acolher o Arquivo Manuel de Falla data de 1972. Com uma sala de concertos com 1240 lugares e uma das melhores acústicas a nível internacional, o Auditório foi inaugurado a 10 de Junho de 1978 com um concerto a cargo da Orquesta Nacional de Espanha sob a direcção do maestro Antonio Ros Marbà.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: