A verdade é que a maior parte dos refugiados está num país do Sul, pobre, não num país rico ocidental.”

(Mehdi Alioua, Público, 21.6.18)

 

Os países que proíbem os imigrantes são os mesmos que potenciam as guerras nesses países com a venda de armamento.”

(Eugénio Fonseca, Correio da Manhã, 21.6.18)

 

As pessoas costumam pensar que Obama não era muito duro a lidar com a migração ilegal, mas ordenou mais deportações do que possamos pensar.”

(Uma Segal, DN, 22.6.18)

 

Enquanto metade dos portugueses continua a viver no limiar da pobreza (e metade destes escapando a ela apenas graças a prestações sociais), enquanto quase 40% dos assalariados em Portugal recebem menos de 600 euros/mês, o discurso sobre os privilégios dos professores regressará uma e outra vez.”

(Manuel Loff, Público, 23.6.18)

 

É um sector [limpeza] onde as empresas se aproveitam da imigração, da falta de trabalho, de tudo.”

(Maria da Conceição Cristóvão, Público, 23.6.18)

 

É a maior manifestação de sempre [dos trabalhadores da limpeza]. A última vez, em 2009, conseguimos juntar umas 500 pessoas, mas desta vez estão muito mais.”

(Vivalda Silva, Público, 23.6.18)

 

O certo é que esta ‘liberalizaçaõ’ do regime [saudita] foi acompanhada de uma campanha de repressão sobre os dissidentes (…).”

(Fernando Sobral, Negócios, 26.6.18)

 

A quantidade de pessoas que vi tentarem justificar esta política [de separação de famílias imigrantes, nos EUA], usando as crianças como arma de dissuasão aos pedidos de asilo, não foi só assustadora, foi clarificadora.”

(Ana Rita Guerra, DN, 26.6.18)