Refeições entregues a privados por proposta do BE

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) aprovou, dia 21 de Junho, uma proposta do vereador do BE, Ricardo Robles, que prevê a aquisição de serviços de refeições para as escolas do primeiro ciclo e jardins-de-infância, por mais de 1,4 milhões de euros, a ser contratualizados com uma das empresas convidadas.

Em nota à comunicação social, os vereadores do PCP, João Ferreira e Carlos Moura, lamentam o «caminho» e «opção» do PS e BE, que prolongam «o recurso a empresas externas, cujos serviços prestados estão longe de garantir patamares aceitáveis, como tem vindo a ser amplamente assinalado por pais e encarregados de educação e pela comunidade escolar em geral».

Proposta do PCP
No documento recorda-se que o Partido apresentou, em Março, uma proposta – chumbada com os votos contra do PS, PSD, CDS e BE – que previa a transição gradual da passagem da gestão privada para a gestão pública, assumindo a CML a confecção local a partir do ano lectivo de 2018/2019 nas cantinas das escolas do primeiro ciclo do ensino básico e jardins-de-infância, a começar por aquelas que estivessem apetrechadas com cantinas e refeitórios, não sendo renovados os contratos com empresas.

Os comunistas pretendiam, desta forma, garantir refeições saudáveis e de qualidade, mas também criar condições de trabalho dignas aos trabalhadores das cantinas escolares, entre os quais reina a instabilidade e a precariedade laboral.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: