Breves
Reforma agrária na África do Sul

O vice-presidente da África do Sul, David Mabuza, vai liderar um comité ministerial para a reforma agrária que visa coordenar e implementar medidas para acelerar a redistribuição de terras. Ao comité, designado pelo presidente Cyril Ramaphosa, caberá também assegurar a segurança da posse das terras, dar apoio agrícola e acabar com a desigualdade, no quadro de um amplo programa de redistribuição de terras e desenvolvimento da agricultura. Ramaphosa já havia prometido estas medidas, para permitir mais terras disponíveis para o cultivo em segurança, o desenvolvimento rural, a redução da pobreza e o fortalecimento da economia.


Eleições no Mali a 29 de Julho

As eleições no Mali, do próximo dia 29, terão 24 candidatos presidenciais. No país estão estacionadas tropas francesas e uma missão militar da ONU, alegadamente, para combater «terroristas» islâmicos e «separatistas» tuaregues. Entre os aspirantes à presidência figuram o chefe do Estado cessante, Ibrahim Boubacar Keita, o ex-primeiro-ministro Modibo Sidibé e o oposicionista Choguel Maiga. Outros candidatos são Daba Diawara, do Partido da Independência, Democracia e Solidariedade, e Housseyni Guindo, da Convergência para o Desenvolvimento. Para as eleições – presidenciais, legislativas, provinciais e municipais – estão inscritos oito milhões e meio de votantes.


Campanha eleitoral começa no Camboja

Com a participação de 20 partidos políticos, começou no Camboja, no sábado, 7, a campanha para as eleições legislativas de 29 deste mês. O Partido do Povo do Camboja, liderado pelo primeiro-ministro Hun Sen, é o favorito à vitória na votação, para a qual estão convocados oito milhões de eleitores. Esta é a sexta eleição parlamentar multipartidária desde 1993, com a supervisão das Nações Unidas. Assistirão ao escrutínio 50 mil observadores, entre os quais 800 estrangeiros. Foram mobilizados 80 mil polícias e militares.


Lula da Silva continua preso

«Chegamos a uma situação em que o país já não tem segurança jurídica; o sistema e justiça, totalmente submetido à Lava Jato e ao poder da rede Globo, deixou de guiar-se pela lei, pelo direito, pela Constituição e pela hierarquia das instâncias». As declarações são de Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores, para quem o Brasil vive um verdadeiro «caos institucional». Ela pronunciou-se no domingo, 8, depois de o juiz Sergio Moro; o magistrado do Tribunal Regional da Quarta Região, João Neto; e o próprio presidente desse tribunal, Thompson Flores, travarem a ordem de libertação a favor de Lula, emitida pelo juiz Rogério Favreto.


Caricom defende unidade

A 39.ª reunião ordinária da conferência de chefes de governo da Comunidade do Caribe (Caricom) defendeu o avanço da unidade através de acções concretas. Efectuado em Montego Bay, na Jamaica, o encontro abordou as mudanças climáticas e a luta dos países membros contra os desastres naturais. Integram a comunidade 15 estados das Antilhas e mais cinco associados. O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, convidado especial, reuniu-se com o primeiro-ministro jamaicano, Andrew Holness, e com o seu homólogo do Haiti, Jovenel Moise, e defendeu projectos económicos e sociais de interesse comum.


Tropas sírias avançam no sul

As forças armadas da Síria recuperaram o controlo da estrada que liga Damasco a Amã, a capital da vizinha Jordânia. No quadro da ofensiva desencadeada pelo exército sírio na província de Deraa, a sul de Damasco, as vitórias sobre terroristas da Frente al-Nusra e os acordos entre militares russos e grupos da oposição radical, que depuseram as armas, permitiram o controlo de várias localidades. Entre elas, o posto de Nassib, na fronteira com a Jordânia, que caíra nas mãos dos terroristas nos começos de 2015. Nassib era então o principal ponto de passagem de mercadorias entre a Síria e a Jordânia.