Senado irlandês aprova proibição de importações de colonatos israelitas

O Senado irlandês aprovou, dia 11, uma proposta de lei que proíbe «a importação e venda de bens, serviços e recursos naturais originários de colonatos ilegais em territórios ocupados», onde se incluem os colonatos israelitas instalados nos territórios palestinianos.

O texto, apresentado pela senadora independente Frances Black, foi aprovado com 25 votos a favor, 20 contra e 14 abstenções, merecendo o apoio do Sinn Féin, dos trabalhistas, sociais-democratas, Verdes, Fianna Fáil e de vários independentes.

Apenas o Fine Gael, que dirige um governo minoritário, se opôs à proposta que será agora encaminhada para o parlamento para debate e votação final.

Frances Black escreveu na imprensa irlandesa que «não obstante tais colonatos sejam repetidamente declarados como ilegais pela União Europeia, pelas Nações Unidas e pelo governo irlandês, continuam a extrair recursos naturais valiosos e produtos agrícolas».

A iniciativa foi saudada na Palestina como um «gesto corajoso» que «envia uma mensagem clara à comunidade internacional e em particular à restante União Europeia: falar de uma solução a dois Estados não é suficiente sem medidas concretas», declarou Saeb Erekat, secretário-geral da Organização para a Libertação Palestina (OLP).

Também a ONG internacional Avaaz se congratulou com o voto, considerando que «os cidadãos irlandeses, os sindicatos e a sociedade civil, bem como a senadora Black, estão determinados a aproveitar esta dinâmica para que as sanções se tornem lei».

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: