Breves
PORTALEGRE PCP exige mais enfermeiros

A Direcção de Organização Regional de Portalegre do PCP (DORPOR) comentou, no passado dia 10, a decisão do Ministério de Saúde de autorizar a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA) a contratar seis profissionais de saúde para suprir as necessidades de enfermeiros na zona. A estrutura partidária lembra, em comunicado, os resultados do levantamento realizado pela Ordem dos Enfermeiros, que admite a carência de pelo menos 150 profissionais de saúde no Norte Alentejano. Ora, em concurso aberto no mês de Novembro do ano passado, o Ministério da Saúde reconheceu a admissão de 25 enfermeiros que, passados nove meses, ainda não foram colocados em funções. Como agravante a esta situação, o Ministério vem agora autorizar apenas seis dos 25 enfermeiros anteriormente admitidos.

Face a esta ocorrência, a organização distrital do PCP relembra o risco iminente de ruptura de vários serviços de saúde na zona assim como reafirma a necessidade da intensificação da luta pela totalidade dos serviços do SNS, exigindo ainda a contratação imediata dos 25 profissionais já autorizados pelo concurso.


VILA FRANCA DE XIRA PS desmantela serviços em Alhandra

A população da vila de Alhandra e das freguesias limítrofes tem vindo a sofrer o consecutivo esvaziamento dos serviços públicos da área às mãos do PS na Câmara Municipal, denunciou a Comissão Concelhia de Vila Franca de Xira do PCP num comunicado recente. Em Alhandra, particularmente, são claramente visíveis os sinais desta política de desinvestimento e a falta de atenção às necessidades da população local. A empresa Comboios de Portugal (CP) encerrou, na vila, a única bilheteira e a sala de espera da estação de caminhos-de-ferro apenas 15 dias depois do mesmo acontecer com o único balcão da Agência da Caixa Geral de Depósitos da localidade – afirma o mesmo comunicado lançado pelo PCP. O mesmo teria acontecido com a estação CTT Correios de Portugal, cujo encerramento foi travado pela intervenção da CDU, força maioritária da Junta da União das Freguesias de Alhandra, Calhandriz e São João dos Montes, e pela luta da população.

A este cenário, junta-se a «gritante falta de médicos» no Centro de Saúde que inviabiliza o acesso a cuidados por «mais de cinco mil utentes» acrescenta ainda o comunicado. A organização local do PCP reafirma ainda a necessidade da mobilização de todos os activistas, militantes e população em torno da defesa dos direitos dos habitantes de Alhandra e das freguesias circundantes.