A filosofia tem de servir para se poder interrogar a vida e não para ter respostas simples que adormecem a angústia e a perplexidade.”

(Fernanda Henriques, Público, 26.7.18)

 

E o que dizer, tanto para o ensino secundário, do manto de absoluto silêncio que cai sobre a herança islâmica em Portugal?”

(Bernardo Vasconcelos e Sousa, ibidem)

 

Agora, como já o havia feito em Abril, a Ryanair responde às reivindicações com ameaças veladas de despedimento e outras formas de pressão.”

(Celso Filipe, Negócios, 26.7.18)

 

O SNS tem agora ‘à disposição’ mais de mil jovens médicos e o Ministério da Saúde empata as contratações que deveria fazer no imediato para ajudar a suprir as carências de recursos humanos na Saúde.”

(Miguel Guimarães, Correio da Manhã, 26.7.18)

 

A multiculturalidade da sociedade israelita, com os seus 20 por cento de árabes israelitas, não se compagina com a existência real de um Estado judaico, que impõe diferentes graus de cidadania.”

(António Luís Marinho, i, 27.7.18)

 

Hoje, a proclamação dos princípios da solidariedade, da dignidade e dos direitos humanos tem como reverso a transformação do Mediterrâneo num imenso cemitério (…).”

(João Arriscado Nunes, Público, 27.7.18)

 

A longo prazo, considero altamente provável que pelo menos um país atualmente no euro venha a sair.”

(Kenneth Rogoff, Expresso, 28.7.18)

 

Temos uma lei que confirma a população árabe como cidadãos de segunda classe. Resulta que esta é uma forma muito clara de apartheid. (…) Como tal, sinto vergonha de ser hoje israelita.”

Daniel Baremboim, Sol, 28.7.18)