Vivem nos BRICS mais de 40 por cento da população mundial
X Cimeira dos BRICS reforça a cooperação

DESAFIOS Os líderes das cinco economias emergentes que integram os BRICS decidiram fomentar a cooperação entre si e com outros parceiros de molde a enfrentar em conjunto os desafios do mundo actual.

Reunidos em Joanesburgo de 25 a 27 de Julho, na 10.ª cimeira do grupo, os dirigentes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul abordaram temas cruciais como a guerra comercial desencadeada pelos Estados Unidos, os conflitos no Médio Oriente, a necessidade de combater efectivamente o terrorismo e a importância de apoiar o desenvolvimento da África.

O lema da cimeira foi «Colaboração para o crescimento inclusivo e a prosperidade partilhada na 4.ª Revolução Industrial».

Iniciada com um Fórum de Negócios em que participaram mais de mil representantes dos cinco países, a X Cimeira dos BRICS promoveu também sessões especiais para as quais foram convidados líderes africanos e da Turquia, Argentina e Jamaica, este último país representando a Comunidade das Caraíbas.

Para tratar da cooperação futura com os países africanos, a cimeira incluiu uma sessão denominada «BRICS ao alcance da África» a que assistiram governantes do Ruanda, Gabão, Etiópia, Togo e Angola, que presidem a instituições no continente, como a União Africana. Participaram também a Zâmbia e a Namíbia – que vão presidir proximamente ao Mercado Comum para o Leste e o Sul de África e à Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) –, o Senegal e, ainda, dirigentes das Maurícias, Leshoto, Botswana, Zimbabwe, Seychelles, Tanzânia, Moçambique, Malawi e Madagascar, todos membros da SADC.

Comércio mundial em benefício dos povos
Na sua Declaração de Joanesburgo, os BRICS assinalaram a importância do desenvolvimento das infra-estruturas e da integração em África e apoiaram a necessidade de estimular os investimentos no continente. Esses investimentos devem apoiar o avanço industrial, a criação de empregos, a segurança alimentar e a erradicação da pobreza, conseguir o desenvolvimento sustentável e solucionar o défice financeiro.

No comunicado final, os BRICS reconheceram que o sistema multilateral de comércio enfrenta desafios sem precedentes e reiteraram o seu empenho numa economia mundial acessível a todos. «Entendemos a importância de uma economia mundial aberta, que permita a todas as nações e povos compartilhar os benefícios da globalização, que admita a participação de todos e apoie o desenvolvimento sustentável e a prosperidade dos povos», lê-se na declaração.

Os presidentes da África do Sul, Cyril Ramaphosa; da China, Xi Jinping; da Rússia, Vladimir Putin; e do Brasil, Michel Temer; e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, comprometeram-se, por outro lado, a fortalecer e ampliar a sua associação estratégica, em benefício dos seus povos.

A extensa Declaração de Joanesburgo, com mais de 100 pontos, pronunciou-se sobre as questões internacionais, do Médio Oriente ao combate ao terrorismo, passando pelos problemas energéticos e ambientais. E estabeleceu os mecanismos práticos para aprofundar a cooperação em diferentes áreas económicas entre os países membros dos BRICS.

Os cinco países, em que vivem 41 por cento da população mundial e cujo Produto Interno Bruto combinado aumentou em 10 anos de 12 para 23,3 por cento, alcançaram em 2017 uma taxa de crescimento económico de 5,3 por cento.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: