Breves
Sector Mais pagou

Perante a convocação de uma greve para 2 de Agosto, a administração da Sector Mais (que explora a cantina e o bar do edifício da Telecom na Rua Tenente Valadim, no Porto, entre outros estabelecimentos de alimentação colectiva) actualizou os valores dos salários de 2017 e 2018 e pagou os retroactivos de todo o ano passado. Para muitos trabalhadores, isto representou mais de 240 euros, assinalou o Sindicato da Hotelaria e Similares do Norte, numa nota de 31 de Julho, em que anunciou a suspensão da paralisação, destacando que «valeu a pena lutar».


Integrados na Tocha

Após diversas lutas, com destaque para a greve de 10 e 11 de Julho, o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Centro informou que 81 trabalhadores com vínculos precários vão ser integrados como efectivos do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro (antigo Hospital Rovisco Pais), na Tocha, concelho de Cantanhede. Estes trabalhadores representam 32 por cento do pessoal, referiu a presidente do Centro à agência Lusa.
Nas fases seguintes ao concurso, o sindicato da CGTP-IN vai exigir que na carreira e outros direitos seja contado todo o tempo de serviço.


Limpeza em Almada

O STAL denunciou o cancelamento, por parte da Câmara Municipal de Almada, do contrato para a reparação dos camiões da recolha do lixo, bem como a ausência de um concurso para a aquisição de viaturas, o que dificulta o funcionamento do serviço e cria condições de trabalho inaceitáveis. Num comunicado de 27 de Julho, o sindicato defende que apenas o investimento público imediato na limpeza e recolha pode assegurar a sua manutenção.
Mantém-se a exigência de integração imediata dos 51 trabalhadores da limpeza pública e urbana que a Câmara despediu no fim de Abril. Alegando que os mesmos não faziam falta e que o seu trabalho era apenas sazonal, a CMA acabou por contratar em Junho uma empresa privada para o trabalho sazonal de limpeza das praias.