Reforma na AP aos 70 é retrocesso social

Foi na última semana tornado público que o Ministério das Finanças se prepara para afixar a possibilidade de prolongar o trabalho na Administração Pública para lá dos 70 anos de idade.
Depois de em 2016 ter sido aprovada na Assembleia da República - com os votos favoráveis de PS, PSD e CDS - uma resolução que previa a possibilidade dos trabalhadores da Administração Pública apenas estarem aptos para a reforma aos 70 anos é em Agosto de 2018 que vem a notícia de que Ministério das Finanças está a trabalhar no assunto.
Em reacção às notícias, o Gabinete de Imprensa do PCP emitiu uma nota onde se pode ler que o «que se impõe é eliminar o prolongamento da idade da reforma restabelecendo como princípio geral o direito à reforma sem penalizações aos 65 anos (sem prejuízo de regimes mais favoráveis) e a garantia do acesso à reforma sem penalizações para os trabalhadores com 40 anos ou mais de descontos.»
Para o PCP os avanços tecnológicos e produtivos devem traduzir-se em benefícios para os trabalhadores após uma vida de trabalho e não o contrário.
«Prolongar artificialmente a idade de trabalho constituirá um factor de não renovação e de não rejuvenescimento dos efectivos da Administração Pública», lê-se na posição pública assumida pelo Partido, que considera esta atitude do Governo um retrocesso social.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: