Breves
SÃO JOÃO DA MADEIRA
Greve dos sapateiros foi há 75 anos

O PCP assinalou recentemente os 75 anos da Greve dos Sapateiros de São João da Madeira com uma exposição e uma sessão pública, esta última realizada no auditório Zeca Afonso da sede do Sindicato do sector do calçado. A participação de diversos intervenientes na sessão, conduzida por Joaquim Almeida (estudioso da luta dos trabalhadores no distrito e ex-coordenador da União dos Sindicatos) e Daniel Vieira, licenciado em História e naturalmente interessado na evocação deste acontecimento enquanto neto de um dos organizadores da greve) tornaram a comemoração particularmente relevante.

Há precisamente 75 anos, a 5 de Agosto de 1943, milhares de trabalhadores das fábricas de calçado reagiram organizadamente às degradantes condições de vida: em plena Segunda Guerra Mundial, vivia-se restrições na distribuição de géneros alimentícios e brutais condições de trabalho. Após esgotarem todas as possibilidades de negociação com o patronato, os operários reclamaram melhores condições de trabalho através da última arma de que dispunham, a greve. A repressão foi brutal e a vila de São João da Madeira esteve ocupada durante dois meses pelas forças repressivas e mantida em estado de sítio. Muitos operários e familiares foram presos e torturados.



CASTELO BRANCO
PCP quer abolir as portagens na A23

A Organização Regional de Castelo Branco do PCP (DORCB) está a levar a cabo uma acção de esclarecimento da população do distrito em defesa da abolição das portagens na A23. Esta acção é suportada por elementos de propaganda fixa e móvel com os quais pretende desmascarar as posições de PS, PSD e CDS sobre o assunto, «contrárias aos interesses dos trabalhadores e do povo da região», e a defesa coerente e intransigente do fim das portagens feita desde sempre pelo PCP.

Na nota de imprensa do Secretariado da DORCB, em que se anuncia a acção, os comunistas recordam que aquelas três forças políticas rejeitaram, na Assembleia da República, o projecto de resolução do PCP que apontava precisamente para a abolição das portagens naquela via, tal como sucedera já em 2017 com uma outra proposta para acabar com as portagens nas antigas SCUT. O PCP chama ainda a atenção para a «manobra de alguns deputados do PS», que votaram favoravelmente a proposta do Partido, o que não alterou o desfecho final da votação. Para os comunistas, esta atitude «não desresponsabiliza os próprios nem apaga o papel negativo do PS em encarar este problema que condiciona o desenvolvimento da região».

Já o PCP, reafirma-se no comunicado, «tem só uma posição», quer na Assembleia da República quer no distrito: a abolição das portagens.