Aconteu
Fernando Pimenta no topo da canoagem

O canoísta português Fernando Pimenta realizou um feito inédito ao sagrar-se pela primeira vez campeão do mundo em K1 1000, e conseguir revalidar o título que já detinha em K1 5000.

Na competição, que terminou no domingo, 26, em Montemor-o-Velho, destacaram-se outros atletas portugueses, como João Ribeiro que ficou em quarto lugar em K1 500, ou o trio Emanuel Silva, Messias Batista e David Varela, que se apurou para a final. Também Teresa Portela e Joana Vasconcelos chegaram à final terminando no oitavo lugar.

Graças às duas vitórias de Fernando Pimenta, Portugal foi o sétimo país mais medalhado, atrás da Alemanha, Hungria, Rússia, Bielorrússia, Canadá e Brasil, entre 70 selecções e 1700 atletas, dos quais apenas 24 atingiram o pódio.


Atletas brilham nos jogos ibero-americanos

Os atletas portugueses presentes nos Jogos Ibero-Americanos, que decorreram em Trujillo, no Perú, entre os dias 24 a 26, conquistaram um total de seis medalhas em diferentes modalidades.

Depois do ouro conquistado por Cátia Azevedo na final dos 400 metros, Portugal voltou a subir ao primeiro lugar do pódio, no último dia da competição, ao vencer a estafeta feminina de 4x400 metros.

Na prova do lançamento do peso, Tsanko Arnaudov foi segundo classificado ao lançar o engenho a 19,34 metros.

No triplo salto, Susana Costa garantiu a medalha de prata com um salto de 13,76 metros. Na mesma prova participou também Lecabela Quaresma que terminou o concurso na quarta posição com 13,24 metros.

O atleta Ricardo dos Santos, na final masculina dos 400 metros, foi terceiro com o tempo de 46,45 segundos, enquanto Irina Rodrigues, no lançamento do disco, obteve a medalha de bronze.


Selecção paralímpica conquista 17 medalhas

A selecção nacional de atletismo paralímpico encerrou a sua participação no Campeonato da Europa de Atletismo World Para Athletics com um total de 17 medalhas, obtidas nas diferentes modalidades, das quais sete de ouro, sete de prata e três de bronze.

Na competição que decorreu até domingo, 26, em Berlim, Alemanha, conquistaram medalhas de ouro os atletas Mário Trindade, 100 metros T52 (cadeira de rodas), Cristiano Pereira, 1500 metros T20 (deficiência intelectual), Luís Gonçalves, 200 metros T12 (baixa visão), Sandro Baessa, 400 metros T20 (deficiência intelectual), Sandro Baessa, 800 metros T20 (deficiência intelectual), Carolina Duarte, 400 metros T13 (baixa visão) e Carina Paim, 400 metros T20 (deficiência intelectual); medalhas de prata: Mário Trindade, 400 metros T52 (cadeira de rodas), Carolina Duarte, 100 metros T13 (baixa visão), Miguel Monteiro, lançamento do peso F40 (baixa estatura), Carolina Duarte, 200 metros T13 (baixa visão), Érica Gomes, salto em comprimento T20 (deficiência intelectual), Maria Odete Fiúza, 1500 metros T11 (invisual), Luís Gonçalves, 400 metros T12 (baixa visão); medalhas de bronze: Luís Gonçalves, 100 metros T12 (baixa visão), Carlos Freitas, 400 metros T20 (deficiência intelectual) e Maria Graça Fernandes, 400 metros T38 (paralisia cerebral).


Uri Avnery incansável obreiro da paz

Uri Avnery, antigo jornalista e activista pelos direitos do povo palestino, faleceu, dia 20, aos 95 anos. Lamentando a morte deste «incansável obreiro da paz», o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM ) recorda que Avnery, nascido na Alemanha em 1923, com o nome de Helmut Ostermann, emigrou para a Palestina, em Novembro de 1933, poucos meses depois de Hitler subir ao poder.

Foi eleito para o Parlamento de Israel em 1965, 1969 e 1977. Renunciou ao cargo em 1981, proferindo um discurso que ficaria célebre, durante o qual ostentou na lapela as duas bandeiras, de Israel e da Palestina.

Em 1993 Avnery fundou o Gush Shalom, movimento pela paz que apoiava a criação de um Estado palestino, sendo Jerusalém capital dos dois países, e defendia o desmantelamento dos colonatos israelitas.



Resumo da Semana
Frases