Falamos muito do islamismo radical, mas nos EUA e no Brasil, guardadas as proporções, as igrejas evangélicas dão ao conservadorismo mais radical e à extrema-direita, de Trump e Bolsonaro, uma plataforma popular que penetra nas populações mais pobres a partir dos bispos mais ricos e dos ainda mais ricos televangelistas.”

(José Pacheco Pereira, Sábado, 18.10.18)

 

Mas pior do que Bolsonaro é o vírus do ódio que à sua sombra vai alastrando, cada vez mais ameaçador e fanfarrão.”

(Nuno Pacheco, Público, 18.10.18)

 

Afinal, aqueles que não aprendem com a História estão condenados a repeti-la. E esta é também uma História que devemos ensinar.”

(Elisabete Jesus, Público, 19.10.18)

 

Este temporal surge numa altura em que a situação da agricultura no Vale do Mondego já estava em crise.”

(José Armindo, Jornal de Notícias, 20.10.18)

 

A prostituição é uma forma de violência contra as pessoas prostituídas, em particular contra mulheres e crianças.”

(Sofia Vala Rocha, Sol, 20.10.18)

 

Também o aumento do salário mínimo tem servido para contrariar a ideia de uma competitividade baseada em salários baixos, apostando-se na qualificação das pessoas.”

(Ana Paula Laborinho, Jornal de Notícias, 21.10.18)

 

Nenhuma operação de propaganda ou agressão diplomática deterá os programas sociais da Venezuela para beneficiar o povo, vítima de um criminoso bloqueio económico.”

(Jorge Arreaza, ibidem)

 

Convém perceber que o fascismo e o nazismo não brotaram espontaneamente – houve quem previsse a sua eclosão e explicasse a sua popularidade.”

(Alfredo Barroso, i, 22.10.18)

 

Esta [retirada dos EUA do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio] é a crise mais grave no controlo das armas nucleares desde os anos 1980.”

(Malcolm Chalmers, Público, 22.10.18)