Salário mínimo será aumentado, em 2019, em 100 euros mensais
Parlamento de França aprova medidas de Macron

AUMENTOS A maioria que apoia o presidente aprovou no parlamento o aumento do salário mínimo e outras medidas visando travar o descontentamento social em França, que continua a manifestar-se nas ruas.

A Assembleia Nacional francesa ratificou na sexta-feira, 21, as medidas económicas anunciadas a 11 de Dezembro pelo presidente Emmanuel Macron procurando acalmar os protestos populares das últimas semanas.

O pacote de concessões de emergência oferece «uma resposta rápida, firme e concreta» à crise, declarou o ministro do Trabalho, Muriel Penicaud, durante o debate na câmara baixa do parlamento francês, em Paris. O partido de Macron, La Republique em Marche (LRM), com larga maioria parlamentar, garantiu a aprovação da legislação proposta.

O órgão legislativo avalizou o projecto de lei e o debate foi transferido para o Senado que deve, especificamente, eliminar o aumento de impostos que beneficia a maioria dos reformados e libertar de impostos e contribuições o pagamento de horas extraordinárias a todos os trabalhadores.

As medidas em discussão, que já tinham sido anunciadas por Macron, incluem o aumento do salário mínimo em 100 euros mensais a partir de Janeiro de 2019, ao mesmo tempo que se elimina o imposto sobre os combustíveis, implicando também que não haverá aumentos nos preços da electricidade e do gás – que foram os detonadores principais das manifestações dos coletes amarelos (com bloqueios de estradas e confrontos com a polícia).

Os protestos começaram a 17 de Novembro contra a subida do preço dos combustíveis mas as reivindicações alargaram-se rapidamente à melhoria do poder de compra em geral, entre outras exigências, como a demissão do próprio presidente da República.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: