• Vasco Cardoso

Falhou o ensaio. Mas cuidado com os promotores e seus propósitos

Falhou o ensaio em torno dos «coletes amarelos». Não foi por falta de empenho da comunicação social dominante, que passou dias a fio a promover a dita iniciativa que ameaçava encher de «manifestantes» as avenidas, fechar estradas e acessos às principais cidades, em nome da redução do número de deputados, do combate aos políticos e à corrupção.

Alguns esperariam que, face a anos a fio de concepções reaccionárias servidas nas manchetes da imprensa, numa parte substancial do comentário das televisivo ou nos fóruns e antenas abertas com que se disfarça o pensamento único, à primeira oportunidade, o povo saísse à rua para exigir um novo Salazar. Não foi isso que se verificou, mas a derrota que tiveram nesta operação não deve levar a subestimações.

A situação do País é contraditória. Com avanços concretos na vida de milhões de portugueses que, por mais campanhas que promovam não conseguem disfarçar – veja-se o subsídio de Natal agora pago a mais de 3 milhões de pessoas –, mas também com os constrangimentos e limitações que se conhecem das opções do Governo minoritário do PS e que impedem uma mais ampla resposta a problemas estruturais, provoca descontentamentos. A direita, incluindo a própria extrema-direita, cuja promoção vai crescendo, procuram explorar e federar todo o tipo de descontentamentos, falta-lhes, para já, quem no plano político agregue tais propósitos.

Não se confunda, por isso, esta operação, que importou um «modelo» vindo de França com a justa luta dos trabalhadores e do povo português pela defesa, reposição e conquista de direitos. Luta essa que não teve, e desconfio que não terá, nem um décimo da promoção e da cobertura a que assistimos agora. Luta organizada, cujos promotores não se escondem atrás de apelos anónimos nas redes sociais. Lutas que não são nem tradicionais ou inovadoras, mas sim, justas e adequadas à necessária mudança de que o País precisa.

Uma mudança no sentido do progresso, da justiça social, do aprofundamento de uma democracia que se quer comprometida com os valores de Abril.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: