Séc. XV – Rodrigo Álvares, o «gutenberg» português

«De Vila real q. he iunto desta comarqua foi natural hum Rodrigo alueres q. depois uiueo no Porto, e foi o prº. q. aeste Reyno trouxe a Impressão em tempo q. ualia hum breuiario seis e sete mil rs. E este os Imprimio logo a duos cruzados». Esta é a primeira referência conhecida ao que é considerado o primeiro impressor português e consta do «Livro das antiguidades e cousas notaveis de entre Douro e Minho... composto no año de 1549», do historiador João de Barros. Figura esquecida e desconhecida, de Rodrigo Álvares pouco se sabe: terá nascido em Vila Real, não se sabe quando nem filho de quem, e vivido e exercido a sua actividade de impressor e editor no Porto, onde imprimiu duas únicas obras: «As Constituições sinoidais de D. Diogo de Sousa» e os «Evangelhos e epistolas», ambas em 1497. Da primeira, segundo o Museu da Imprensa, apenas se sabe da existência de dois exemplares, um na Biblioteca Pública Municipal do Porto (incompleto) e outro, completo, na Biblioteca do Paço Ducal de Vila Viçosa. Dos «Evangelhos e epístolas» é conhecido um único exemplar, completo, apresentado em 1920 por Jaime Cortesão. Esta obra terá sido traduzida pelo próprio Rodrigo Álvares a partir duma versão publicada em Salamanca em 1493. Antes do «gutenberg» português já havia obras impressas no País, mas feitas por estrangeiros.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: