Breves
Propostas para Lisboa

Tendo em conta os «cada vez mais evidentes e sem solução» problemas com que a cidade de Lisboa se confronta ao nível de estacionamento e mobilidade, os eleitos do PCP na Assembleia Municipal de Lisboa apresentaram, anteontem, 16, um «plano de intervenção» nesta área com dez medidas.

«Criação de parques de estacionamento dissuasores, em articulação com os municípios vizinhos», «transformação da EMEL num verdadeiro instrumento ao serviço da mobilidade na cidade» e «existência de áreas de estacionamento de veículos de duas rodas em todos os parque de estacionamento», para além da promoção de «um processo de revisão de forma participada do regulamento geral de estacionamento na via pública», são algumas das propostas do PCP.

Em nota de imprensa, os comunistas contestam a solução defendida pela Câmara de Lisboa de «massificação do uso dos parquímetros, deixando estes de ter uma função reguladora em situações e zonas específicas da cidade, transformando a intervenção do executivo camarário através da EMEL num negócio altamente lucrativo à custa da população que reside e trabalha em Lisboa».


MDM denuncia e protesta

O Movimento Democrático de Mulheres (MDM) denunciou junto da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) a utilização «vexatória» da imagem da mulher na publicidade do Grupo Carnes Sá da Bandeira, sediado em Vila Nova de Gaia. Em causa está o anúncio da venda de carne de vitela branca para assar e de coxas de frango, associando-a à imagem de uma mulher em biquíni na praia.

No documento, o MDM solicita a intervenção da CIG junto das entidades competentes pela fiscalização e instrução de processos de contra-ordenação para que a publicidade em causa seja retirada e se apurem todas as responsabilidades e consequências do acordo com o estabelecido na Lei.

«É tempo de dizer que as mulheres não são mercadoria, não são produtos vendáveis, nem podem os seus corpos ser usados para tal», afirma o MDM.


Seixal reclama estacionamentos

A Câmara Municipal do Seixal aprovou, no dia 10 de Julho, uma tomada de posição «Pela entrega dos estacionamentos da Fertagus e da Transtejo ao município». Em causa estão os preços exagerados praticados nos parques de estacionamento destes operadores.

A tomada de posição afirma a necessidade urgente de o município assumir a gestão dos parques de estacionamento: do Terminal Fluvial do Seixal, concessionado à Transtejo, exigindo tratamento idêntico ao adoptado para o Cais do Seixalinho, no Montijo; e das estações do Fogueteiro, Foros de Amora e Corroios, concessionados à Fertagus, visando a sua utilização gratuita pelos utentes destes transportes públicos.

Por fim, o documento exorta o ministro do Ambiente a intervir directamente neste processo.


PS chumba Metro em Odivelas

A maioria PS na Câmara de Odivelas chumbou, no passado dia 10, uma moção da CDU com o título «Metro ao serviço das populações», onde se reivindicava o não encurtamento da Linha Amarela e o seu prolongamento até Loures.

«Desprezando as questões de fundo de inegável valia, o Governo optou por limilitar esta expansão, centralizando todos os recursos na transformação das Linhas Verde e Amarela numa Linha Circular interna ao concelho de Lisboa, situada entre o Campo Grande e o Cais do Sodré», refere o documento apresentado pela Coligação PCP-PEV.

Ainda segundo a CDU, «a Linha Amarela será consequentemente reduzida à ligação Telheiras-Odivelas, como resultado de uma intervenção que acrescentará apenas duas novas estações à rede, em Lisboa (Santos e Estrela), com um investimento previsível de mais de 200 milhões de euros».

Esta opção, concluiu-se, «não serve os interesses nem da cidade, nem da Área Metropolitana, uma vez que desconsidera o inadiável investimento para o Metro até Loures».