Erdogan é um ladrão e está a roubar-nos a nossa terra.”

(Bashar al-Assad, Público, 23.10.19)

 

O racismo e a xenofobia não são passíveis de legitimação pelo voto.”

(Pedro Norton, Visão, 24.10.19)

 

A turistificação das cidades, de que Lisboa e o Porto são um exemplo, associada à especulação imobiliária, a modos de habitar e a modelos de reconstrução urbana que satisfazem uma estrita lógica de classe, faz delas territórios demarcados de uma burguesia transnacionalizada.”

(António Guerreiro, Ipsílon (Público), 25.10.19)

 

[No Chile] Os salários são muito baixos, o custo de vida é muito alto, as pensões de reforma são baixíssimas. O sistema de saúde, assente em seguros privados, é demasiado caro e não serve a maioria.”

(Jorge Almeida Fernandes, Público, 26.10.19)

 

A gestão de Draghi tornou, pois, mais saliente a quem serve a orientação política do BCE: os interesses financeiros do centro europeu.”

(Nuno Teles, Expresso, 27.10.19)

 

Não se é ‘precário’, é-se ‘flexível’. Não se leva marmita para o emprego por constrangimentos económicos, mas porque é a ‘nova onda’. Partilha-se casa, com 20, 30, ou 50 anos, não por causa do magro salário ou da especulação imobiliária, mas porque estamos a praticar coliving. (…) Seria cómico, se não fosse trágico. É este o nosso mundo.”

(Vítor Belanciano, Público P2, 27.10.19)

 

Portanto, não subscrevemos acordos [na concertação social] de acordo com a pressão mediática, governamental ou patronal. Subscrevemos de acordo com os conteúdos. Como já subscrevemos vários. Quatro. Nenhum deles foi cumprido.”

(Arménio Carlos, Negócios, 28.10.19)

 

A desigualdade social conta, contudo, outra história, e, entre os 36 países da OCDE, em que o Chile entrou em 2010, cabe-lhe a pior posição.”

(José Carlos Barradas, Negócios, 29.10.19)