Aconteu
Fernanda Lapa deixa legado na cultura e na intervenção cívica

A actriz, encenadora, directora de teatro e militante comunista faleceu na sexta-feira, dia 6, em Cascais.

Fernanda Lapa, nascida em Lisboa a 1943, viveu de forma dedicada ao teatro. Estreou-se em 1962, no Teatro dos Alunos Universitários de Lisboa. A sua primeira peça como actriz foi na Casa da Comédia, da qual foi fundadora.

Diplomou-se em encenação em Varsóvia, na Escola Superior de Encenação, em 1979, com uma bolsa da Secretaria de Estado da Cultura.

Desde então toda a sua carreira foi na representação e, sobretudo, na encenação de grandes dramaturgos e na direcção de grandes actores, bem como no ensino e formação de novos homens e mulheres do teatro.

A criação da Escola de Mulheres, que fez 25 anos no passado mês de Março, deu expressão no teatro a uma das batalhas de Fernanda Lapa: a da igualdade entre mulheres e homens, no teatro e na vida. Luta pela igualdade que remonta ao período da ditadura fascista e que, após a Revolução de Abril, teve por objectivo a conquista de direitos políticos, sociais, económicos e culturais.

Fernanda Lapa foi dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Espectáculo – STE durante vários mandatos, bem como do Movimento Democrático de Mulheres.

Militante do PCP desde 1978, toda a sua militância, activa, presente e empenhada, de grande dedicação ao Partido, foi feita no Sector Intelectual da Organização Regional de Lisboa. A sua ligação à luta dos trabalhadores, à defesa da cultura, à causa da liberdade, da democracia e do socialismo estiveram presentes até ao fim da sua vida.

Para além do Secretariado do Comité Central do PCP, que em nota aos órgãos de comunicação social expressou o seu «profundo pesar pelo falecimento» de Fernanda Lapa, também Jerónimo de Sousa lembrou o quanto ela representou para o País enquanto actriz de excelência, mulher da cultura e militante comunista.

Entre outras organizações, também o PEV lamentou o falecimento da «grande referência na Cultura Portuguesa», que foi Fernanda Lapa. O apoio, contributo e dedicação dados pela actriz à CDU em cada acto eleitoral também foi mencionado.


Faleceu Waldemar Bastos

O cantor angolano Waldemar Bastos faleceu na segunda-feira, dia 10, em Lisboa. O músico, que tinha 66 anos, estava em tratamentos oncológicos mas acabou por não resistir à doença.

Nascido na província de M'Banza Kongo, Waldemar Bastos apresentava-se com uma sonoridade que o próprio definia como «afro-luso-atlântica». Ao longo da sua carreira foi galardoado, entre outros, com o prémio de New Artist of the Year nos World Music Awards, em 1999; com o Prémio Nacional de Cultura e Artes, a mais importante distinção do Estado angolano nesta área, em 2018.

O músico angolano actuou em várias edições da Festa do Avante! e trabalhou com artistas de renome internacional como Chico Buarque, Dulce Pontes, David Byrne, Arto Lindsay e Ryuichi Sakamoto, com a Orquestra Gulbenkian, a London Symphony Orchestra e a Brazilian Symphony Orchestra.


Domingos Lobo lança novo livro

O escritor português e militantes comunista, natural de Nagozela, distrito de Viseu, lançou um novo livro, «A Fome dos Corvos e outros pretextos teatrais». A obra integra em si quatro peça teatrais: «A Fome dos Corvos», «A Solidão à Chuva», «Filhos de Orfeu» e «Um Violino na Lama».

Segundo a editora Página a Página, nesta compilação, o leitor é, inicialmente, confrontado com a temática da guerra depois de terminada a Segunda Guerra Mundial. Já nas últimas peças, o leitor é convidado para uma viagem à literatura portuguesa do século XX.


Trabalho de Joaquim Namorado em compilação

Os trabalhos, da pintura aos versos, de Joaquim Namorado foram compilados e organizados num volume de 536 páginas, com a chancela da editora Modo de Ler. A publicação da obra, que estava prevista para 2015, ano em que se celebraria o centenário do nascimento do autor, acabou por ser adiada para a data do centenário da força política à qual o poeta dedicou toda a sua vida – o PCP.

Joaquim Namorado nasceu em Alter do Chão em 1914 e faleceu em Coimbra em 1986. Formado em Ciências Matemáticas pela Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra, viria a leccionar nessa mesma instituição após o 25 de Abril. Militante do PCP desde os anos 30, para além da sua vasta obra literária e artística, colaborou também com as revistas Seara Nova, Vértice, Sol Nascente, entre outras.


Mundo contra a exploração infantil

A ratificação de uma Convenção Internacional sobre a proibição das piores formas de trabalho infantil foi alcançada, pela primeira vez, pela totalidade dos estados-membros da Organização Internacional do Trabalho. Para a CGTP-IN este avanço, alcançado no dia 4, constitui-se com um sinal importante no combate a este flagelo.



Resumo da Semana
Frases