Breves
LISBOA
Falta pessoal nas escolas

Quando «se inicia mais um ano lectivo, forçosamente atípico devido à pandemia da COVID-19, é ainda mais necessário dotar as escolas de pessoal não-docente para assegurar, com eficácia, as regras impostas pela DGS», consideram os vereadores do PCP na Câmara Municipal de Lisboa, que em pergunta dirigida ao executivo autárquico, pretendem saber «quantos trabalhadores assistentes operacionais e assistentes administrativos já contratou a Câmara e quantos faltam contratar?» e «qual o regime jurídico pelo qual esses trabalhadores foram contratados?». João Ferreira e Jorge Alves pretendem também saber se a CML entende que os contratados «são em número suficiente para garantir o normal funcionamento do ano letivo 2020/21», e «quando é que a Câmara prevê cumprir o estabelecido [em Janeiro último] nas alterações necessárias ao seu mapa de pessoal?».

Em nota de imprensa divulgada pelo gabinete da vereação do PCP na CML, recorda-se que, no final de 2019, por iniciativa comunista, foi aprovada uma moção que reclamava «o reforço imediato de todos os auxiliares de acção educativa e assistentes administrativos necessários ao regular funcionamento da Escola Pública», traduzindo, dessa forma, o reconhecimento da desadequação do rácio de profissionais existentes face à realidade concreta das escolas.

Ora, acrescentam os eleitos do Partido, «não se conhece, até hoje, se o Ministério da Educação chegou a dotar as escolas de todos os meios humanos necessários, tal como referido na moção, nem sequer se a Câmara e o Ministério celebraram o auto de transferência de competências».


LEIXÕES
Ponte das avarias

Pela terceira vez no espaço de dois anos, a ponte móvel de Leixões encontra-se avariada. A situação provoca mais um período de constrangimentos à circulação pedonal e automóvel entre Matosinhos e Leça da Palmeira, denuncia a Comissão Concelhia de Matosinhos do PCP. Está responsabilizando a Administração do Porto de Leixões (APdL), considera que, no projecto de modernização de toda a área portuária e envolvente que aquela entidade tem em curso, devem ser tomadas «as medidas necessárias para que as dificuldades técnicas no funcionamento da ponte móvel sejam ultrapassadas de forma consistente».

Em nota de imprensa, os comunistas matosinhenses informam, também, que os eleitos do Partido, quer nos órgãos locais quer na Assembleia da República, irão pedir à APdL para que «esclareça a razão de mais esta avaria», assim como detalhe «que medidas foram tomadas para melhorar a manutenção e prevenção da infra-estutura e qual a previsão para a sua reabertura».