Orizicultores exigem mais apoios do Governo

Cerca de 200 orizicultores das regiões do Baixo-Mondego, Vale do Sado e Vale do Sorraia reuniram-se, no dia 15 de Julho, em Samora Correia, num Encontro Nacional, onde reclamaram medidas efectivas do Governo e do ministro da Agricultura em defesa da produção nacional de arroz. «Só promessas e diálogos não resolvem os problemas dos oricultores. O senhor ministro da Agricultura tem que passar das palavras aos actos», disseram os agricultores, que exigem «preços justos à produção na ordem dos 30 a 40 cêntimos o quilograma», «ajuda na electricidade verde na secagem do arroz», «intervenção do Governo para travar os aumentos dos adubos, gasóleo, pesticidas e outros» e «fim à prática de dumping no arroz vendido pelas grandes superfícies».

Presente no encontro, o Director Regional da Agricultura de Lisboa e Vale do Tejo, em representação do ministro da Agricultura, informou que se encontra em fase final um estudo da Autoridade da Concorrência sobre a prática de dumping no preço do arroz ao consumidor nas grandes superfícies, e que o Governo estava atento aos valores praticados no preço à produção no arroz.

Outras questões afloradas foram a necessidade de terminarem as obras hidro-agrícolas do Baixo-Mondego em todos os vales, e a necessidade de uma Lei de Arrendamento Rural mais justa para a produção nacional. No encontro, que contou com a presença de João Frazão, da Comissão Política do PCP, foi ainda aprovado um Caderno de Reclamações que será entregue ao ministro da Agricultura.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: