«Ainda não percebemos bem por que subiu tanto o desemprego».

(Vítor Constâncio,
Diário de Notícias
, 28.04.12)

 

«Conheço já casos de famílias que entregaram a casa ao banco, ficaram com as dívidas, e foram obrigadas a ir viver para bairros clandestinos».

(Constantino Alves,
ibidem
)

 

«Parte importante da chamada gclasse médiah está a soçobrar numa pobreza para a qual está longe de estar preparada e adaptada. Aliás, se há coisa para que não há gajustamentoh é a pobreza».

(José Pacheco Pereira,
Público
, 28.04.12)

 

«A elite dirigente, política e económica, (c) sabe cada vez menos, porque os modos de vida se separam todos os dias, entre o conforto do poder e a devastação da pobreza. O rasgão que isto está a fazer num Portugal já muito puído será muito difícil de remendar».

(Idem, ibidem)

 

«Num país que aos poucos vai regressando à pobreza de antigamente e onde as desigualdades aumentam de forma acelerada, a democracia e a liberdade também não são bens adquiridos. Esta banalidade tem de ser dita e lembrada todos os dias, mais ainda no 25 de Abril».

(Fernando Madrinha,
Expresso
, 28.04.12)

 

«Estado assume dívida de políticos no BPN».

(Manchete do Correio da Manhã, 29.04.12)

 

«Estará em causa um total de cerca de 80 milhões de euros».

(ibidem)

 

«Governo colocou gestores em banco falido [BPN] a ganhar 17 mil euros por mês».

(Título do Diário de Notícias, 29.04.12)

 

«O que se passou no BPN é a maior, a mais continuada e ostensiva fraude na banca portuguesa».

(Idem, ibidem)

 

«Caras do BPN deram 130 mil euros para campanha do Presidente [Cavaco Silva]».

(Idem, ibidem)

 

«O argumento de que, alterando as leis laborais se aumenta a competitividade, é um argumento que não aceito».

(José Silva Peneda,
Diário Económico
, 30.04.12)

 

«Qualquer alteração mais no Código do Trabalho vai criar ruído, vai criar conflitualidade, vai criar tantos problemas e tantas dificuldades que não estou a ver qual é a vantagem que se pode extrair de tudo isso»:

(Idem, ibidem)