Breves
Ensino Superior

Os estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto realizaram, no dia 25, uma acção de protesto contra o aumento do prato social, que tem vindo a aumentar sucessivamente nos últimos anos.

Em Lisboa, no mesmo dia, os estudantes do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas estiveram concentrados à porta da instituição para reivindicar um maior financiamento para o Ensino Superior, mas também que os alunos realizem exames e assistam às aulas mesmo com propinas em atraso; prestações mensais como alternativa ao actual pagamento de propinas; que não haja qualquer impedimento no acto de matrícula caso o estudante tenha propinas em atraso; o fim aos juros de mora.

O protesto aconteceu numa altura em que foram expulsos alunos de salas de aula e de exames na sequência de não terem as propinas pagas, criminalizando assim os estudantes.


Estabilidade financeira

A Câmara de Grândola aprovou, no dia 25, o seu orçamento para 2017, no valor de 21,5 milhões de euros.

Segundo António Figueira Mendes, presidente da autarquia, o próximo ano «será o primeiro, desde mandato autárquico, com o apoio do novo quadro comunitário». «Estes apoios e a estabilidade financeira que alcançámos permite-nos afirmar, com segurança, que estão agora reunidas as condições para concretizar algumas obras estruturantes que integram a estratégia definida, fundamentais para o desenvolvimento do concelho e para a melhoria da qualidade de vida da população», valorizou o eleito do PCP, numa nota divulgada em http://www.cm-grandola.pt.


Desporto sem plano

O PS votou contra a criação de um Plano Municipal do Desenvolvimento Desportivo e de um Conselho Desportivo Municipal para Torres Novas, uma proposta do PCP que contou com a abstenção do PSD. O plano, apresentado pela vereadora Filipa Rodrigues, previa a necessidade de «identificar as necessidades dos munícipes», «identificar as necessidades dos agentes desportivos», «garantir coerência nas diferentes acções» e «rentabilizar os recursos envolvidos».


Conhecer realidades

Em Salvaterra de Magos, uma delegação do PCP – composta por eleitos nas assembleia de freguesia de Muge (Teresa Souto) e Glória do Bitabejo e Granho (Nuno Monteiro), assim como da Assembleia Municipal (José Custódio e Francisco Monteiro) – esteve reunida, no dia 26, com o presidente do Centro de Bem Estar Social (CBES) de Muge, Jorge Aldeias. Na iniciativa foram abordadas várias temáticas relacionadas com as instituições particulares de solidariedade social, particularmente o CBES.


Lutar vale a pena

Carlos Pinto de Sá, presidente da Câmara de Évora, manifestou «grande satisfação» por o projecto do novo hospital da cidade avançar no próximo ano, uma medida prevista no Orçamento do Estado (OE) para 2017. «Agora é necessário que se concretize, porque o financiamento global não está garantido», afirmou, em declarações à Lusa no dia 17, adiantando que as verbas previstas no documento vão «possibilitar o início dos trabalhos», sendo ainda necessário «encontrar uma fonte de financiamento» para a construção do novo hospital central de Évora, devendo o Governo garantir os apoios junto da União Europeia.»

Esta foi, desde sempre, uma das principais reivindicação do Movimento de Utentes de Saúde Pública do Distrito de Évora (MUSP). Em nota de imprensa, o MUSP informa que o Hospital do Espírito Santo de Évora tem atravessado «várias dificuldades», que vão desde recursos humanos à capacidade de resposta aos diferentes tipos de solicitações, o que evidencia a urgência da construção do novo hospital.


Homenagem à mulher

No dia 9 de Novembro, às 21 horas, na Sala da Barraca (Largo de Santos, 2, Lisboa, uma «Homenagem às mulheres palestinas» abre as Jornadas de Solidariedade com a Palestina – 2016 organizadas pelo Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente. A sessão culmina com um debate sobre «A mulher palestina na sociedade», com Maria do Céu Guerra, Regina Marques, Ana Cansado e Shahd Wadi.


CDU é alternativa

Sob o lema «Construir soluções para Lisboa», realizou-se no sábado, 29, no Auditório Camões, um Encontro CDU, que contou com a presença de 150 pessoas e 20 intervenções.

Para além do balanço do trabalho realizado pelos eleitos do PCP e do PEV, reflectiu-se sobre as áreas de intervenção fundamentais para a cidade de Lisboa e reuniu-se propostas e soluções para melhorar a qualidade de vida da população.


Estradas impróprias

Os vereadores do PCP na Câmara de Aljustrel alertam, em nota de imprensa divulgada no dia 25, para a existência, há vários anos, de «muitas estradas» a «necessitar de intervenções», como a EN2, EN383 e várias estradas municipais (EM), «que não têm qualquer tipo de manutenção».

«Com o aproximar do Inverno e da época das chuvas estas situações tendem a agudizar-se», alertam os vereadores, que têm vindo, de forma insistente, a apelar à autarquia que tome medidas, incluindo junto das Infra-estruturas de Portugal, no sentido de acautelar a segurança de quem por ali circula, assim como salvaguardar os interesses do município no que respeita à existência de infra-estruturas rodoviárias adequadas fundamentais para o desenvolvimento do concelho.


Obras preocupantes

Os eleitos do PCP nos órgãos autárquicos do concelho de Cinfães, Viseu, felicitaram, em nota de imprensa divulgada no dia 25, o início das obras em Porto Antigo, que motivaram o corte total da estrada nacional 211.

«Trata-se de resolver o problema decorrente de um abatimento do piso ocorrido ali há cinco anos», esclarecem os comunistas, alertando, no entanto, para o facto de aquele ser um lugar de «passagem obrigatória para quem vai do concelho de Cinfães ou de Resende a caminho da estação ferroviária de Mosteirô, utilizada diariamente por muitas centenas de pessoas, e do concelho de Marco de Canaveses.

«Os transtornos do corte do trânsito são incomensuráveis», alertam, contestando a «incompreensível» ausência de avisos em lugares onde os automobilistas possam optar por alternativas para os destinos.

As críticas estendem-se também ao facto de, como o trânsito está interrompido antes da ponte de Mosteirô, as pessoas terem de caminhar até à estação do caminho de ferro mais de um quilómetro.

«Não pode a Câmara de Cinfães negociar um protocolo com a Transdev ou resolver o problema por meios próprios enquanto durarem as obras?», interrogam os eleitos do PCP.


Presta contas

No dia 22, de manhã, os comunistas de Castanheira de Pera prestaram contas da sua actividade autárquica no concelho de Vila Franca de Xira e na freguesia. Na iniciativa deram ainda a conhecer a proposta do PCP para o alargamento do Passe Social Intermodal a toda a Área Metropolitana de Lisboa. Este tema foi abordado, à tarde, numa sessão de esclarecimento, que contou com a intervenção de Manuel Gouveia, do Comité Central do PCP.


Obras necessárias

No concelho de Palmela, «está a decorrer a empreitada de repavimentação do troço final da Rua 9 de Março, em Vale da Abrunheira, Cajados», informa a autarquia, no seu sítio da internet (www.cm-palmela.pt).

Adjudicada por cerca de 168 mil euros, a obra tem uma duração de 60 dias e consiste na reabilitação do pavimento existente e no alargamento da plataforma, para melhorar as condições de circulação, segurança e conforto, bem como a drenagem.