• José Carlos Faria

A última viagem de Lénine

Image 21575

E se Vladimir Illitch Ulianov (Lénine) desembarcasse, de repente, em Lisboa num comboio, transfronteiriço e transtemporal, que, saído de Moscovo em 1924, circulasse precisamente através das fronteiras do tempo com 90 anos de atraso?

É este o ponto de partida do espectáculo «A Última Viagem de Lénine», montado pela «Associação Cultural Não Matem o Mensageiro», nascida em 2014 e que se apresenta como o «único grupo de teatro político português», tendo por objectivo «um teatro transformador que politiza, democratiza e faz pensar».

O texto, bem urdido, com base num exaustivo levantamento historiográfico, recorre a citações de obras, discursos e relatórios, episódios lendários e também à ficção, essa que, amiúde, ao romper a película do superficial, é a única capaz de nos devolver, recriada, a verdadeira e profunda dimensão do real. Recusando com firmeza a vulgaridade fácil e obscena das calúnias e, sobretudo, prescindindo inteligentemente do primarismo óbvio e redutor das loas banais, desenvolve-se, ao longo de 90 minutos, sem recurso ao lugar comum, uma quase biografia na qual o registo de Vladimir, o amigo; Illitch, o amante, Ulianov, o exilado; Lénine, o político, é exposto em contexto. Através de uma ironia bem humorada constata-se que, em termos de igualdade, justiça e direitos sociais, culturais e económicos, muitos deles adquiridos pela primeira vez com a Revolução de Outubro de 1917, o nosso mundo tão complexo, no desenrolar do quotidiano, mudou muito menos do que o desejável e que, importa cada vez mais transformá-lo, até porque mesmo «os comboios atrasados acabam sempre por chegar»…

Num dispositivo cénico, cujo despojamento deliberado sinaliza uma gare ferroviária, destaca-se um banco que assume diversas funções (local de espera, carruagem em marcha, tribuna de intervenção política…), enquanto a sonoplastia vai marcando e situando múltiplas envolvências e ocorrências. O trabalho de encenação serve com bastante eficácia quer a exigente escrita da peça quer o decorrente jogo do actor. E é aqui, no capítulo da interpretação, (já que o texto é sempre um pretexto) que este monólogo atinge o seu pico, com uma notável capacidade de gestualidade, ocupação do espaço, excelente consistência de timbre e dicção no retrato, feito, em simultâneo, com subtileza, energia e intencionalidade, das diversas facetas da personagem.

O público, que lotava por completo a sala-estúdio do Teatro da Trindade foi sensível à qualidade manifesta a que tinha assistido e retribuiu com uma calorosa adesão.

Este espectáculo, que incorpora, aqui e ali, saudáveis traços do teatro de «agit-prop» soviético (Meyerhold, por exemplo), foi montado sem nenhum apoio oficial e reclama pois que se dê o necessário passo em frente para que não se perca a oportunidade de o ver, porque, tal como afirmava o poeta Vladimir Mayakovsky, «é tempo de lançar de novo ao vento as ideias de Lenine», «o mais terreno dos homens».

Lembra o programa de sala: «Na luta de classes não há espectadores. Sejamos nós os seus actores».

 

FICHA TÉCNICA:

Produção: NÃO MATEM O MENSAGEIRO (www.naomatemomensageiro.pt)

Texto: ANTÓNIO SANTOS

Interpretação: ANDRÉ LEVY

Encenação: MAFALDA SANTOS

Som e luz: SUSANA GOUVEIA e MARCOS LOUSA

Vozes: LUÍSA ORTIGOSO, RITA LELLO, CARLA JANEIRO, PEDRO VIEIRA, JOSÉ GRAÇA, ANTÓNIO OLAIO,

MAFALDA SANTOS, PEDRO PENILO, FERNANDO RAMOS, JOSÉ COELHO, MÁRIO OLIVEIRA, ANA MARGARIDA FREITAS




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: