Papel insubstituível do PCP na sociedade portuguesa reafirmado nas comemorações do 82.º aniversário
Por um PCP mais forte

Cerca de duas centenas de militantes e simpatizantes do PCP juntaram-se no sábado, em Évora, para comemorar o 82.ª aniversário do Partido, num almoço com a participação do secretário-geral do PCP, Carlos Carvalhas, que proferiu uma curta intervenção.

Durante o almoço, que decorreu num ambiente de grande confiança e fraternidade, Clara Grácio, membro da Comissão Concelhia de Évora e vereadora da Câmara Municipal, aproveitou para colocar a importância do reforço do Partido no concelho como «arma fundamental» na defesa dos interesses dos trabalhadores e para uma melhor intervenção dos comunistas no poder local em defesa dos interesses das populações e contra a política «de compadrio, centralista e presidencialista» da gestão PS. Política esta que coloca como imperioso o objectivo de o PCP reconquistar a Câmara nas próximas eleições autárquicas. Clara Grácio, que realçou, ainda, a importância do recrutamento para o Partido, terminou saudando os seis novos militantes que aderiram ao PCP no dia do seu 82.º aniversário, o que - considera - constitui uma prova de confiança no futuro.

Sarilhos Grandes

Também a Comissão de Freguesia de Sarilhos Grandes promoveu, no domingo, um almoço-convívio no Centro de Trabalho, que encheu completamente com militantes e amigos do PCP que, desta forma, fortaleceram os laços de amizade e solidariedade que já os unia.

Serra da Graça, responsável da freguesia, depois de agradecer a presença de todos, lembrou que, apesar das dificuldades da actual situação política, a organização da freguesia encara com confiança o futuro e as lutas que se avizinham, estando em curso um processo para a restauração do Centro de Trabalho, de forma a torná-lo mais apetecível ao trabalho e ao convívio.

José Manuel Maia, da Direcção da Organização Regional de Setúbal, fez questão, por sua vez, de recordar a fundação do Partido e o importante papel que desempenhou ao longo da sua vida, quer durante os 48 anos fascismo pela criação de condições para o 25 de Abril, quer depois do 25 de Abril pela consolidação da democracia, hoje de novo ameaçada. Um papel que José Manuel Maia apelidou de «insubstituível», na medida em que o PCP é «um Partido revolucionário, que não apenas luta contra a exploração do homem pelo homem, mas também pela destruição do sistema capitalista e pela concretização de uma sociedade mais justa e sem exploração. Um Partido que não renega o marxismo-leninismo, um Partido onde o centralismo democrático proporciona um funcionamento democrático, com a participação dos militantes que, com a sua opinião individual inserida nos colectivos partidários a que pertencem, constróem a sua orientação».

Antes de terminar, José Manuel Maia denunciou, ainda, a guerra que os EUA estão a desencadear contra o Iraque, sobrepondo os seus interesses económicos na região à necessidade de resolver os conflitos através da ONU.

No final, cantaram-se os «parabéns a você» por mais um aniversário do PCP, tendo o mais jovem e o mais idoso dos presentes apagado as velas de um deliciosos bolo de aniversário.

Sorteada viagem a Cuba

Visto não ter sido vendido o número sorteado, no passado dia 9 de Março, das viagens a Cuba, a Direcção Regional do Alentejo decidiu proceder a novo sorteio que acabou por se realizar no almoço comemorativo do 82.º Aniversário do PCP em Évora. O feliz contemplado foi Rui Dores, da organização concelhia de Mértola, com o número 581.

Alhandra
Factos que fizeram história

A Comissão de Freguesia de Alhandra do PCP decidiu, por seu lado, comemorar o 82.º aniversário do PCP com o lançamento do livro «Vida e obra dos comunistas de Alhandra», que José Manuel Costa, Artur Gomes e José Gonçalves apresentaram às cerca de 200 pessoas presentes, na Sociedade Euterpe Alhandrense, onde o evento teve lugar. Na ocasião Adelaide Pereira, do Comité Central e da DORL, proferiu também uma curta intervenção na qual fez a interligação da obra aos 82 anos de luta do PCP.

O objectivo do livro, como se pode ler na sua introdução, é não deixar cair no esquecimento factos que fizeram parte da história de luta do povo de Alhandra e que pessoas que deles participaram ou a eles assistiram trazem hoje à memória. Cada depoimento, diz-se ali, «tem lugar na história e dá-lhe sentido».

A recolha de dados sobre a influência do PCP na actividade política, social e cultural de Alhandra foi, pois, uma «tarefa árdua», aquela a que a Comissão de Freguesia de Alhandra se lançou. Enfim, «um trabalho inacabado, todavia, ao mesmo tempo, começado».

O lançamento desta obra, deu, entretanto, lugar a um animado debate em que se ouviram importantes testemunhos da vida e obra dos comunistas. Dias Lourenço, Georgete Ferreira e Severiano Falcão foram alguns dos presentes que viveram os tempos difíceis da clandestinidade e que ali intervieram.

Bragança
Relembrar luta

No dia 16 de Março, também a Comissão Concelhia de Bragança do PCP promoveu, nas instalações do Centro de Trabalho, um lanche/convívio comemorativo do 82.º aniversário do Partido que contou com a participação de António Lopes, membro da Comissão Política. Uma Festa onde não faltou o convívio, a música e a poesia.

No mesmo local, encontrava-se patente ao público uma Exposição sobre o «Jornal Avante! e o Partido», que proporcionava aos que a visitavam a consulta de exemplares do Avante! clandestino e o contacto com o prelo, uma das máquinas então usadas para a impressão.

Setúbal
Vencer adversidades

Com a presença de mais de uma centena de militantes, realizou-se, no passado domingo, em Setúbal, um almoço comemorativo do 82.º aniversário do PCP.

O encontro, que teve lugar na Cooperativa de Habitação das Pontes, contou com a participação de Albano Nunes, membro do Secretariado do Comité Central, que, na sua intervenção, lembrou o historial de 82 anos de luta do Partido, a sua profunda ligação aos trabalhadores e ao povo e a sua capacidade de colectivamente resistir às diferentes adversidades que ao longo da vida se lhe colocaram.

Questão central nas suas palavras, perante os entusiásticos participantes do almoço, foi a agressão ao Iraque e os objectivos económicos, geoestratégicos e militares de domínio dos Estados Unidos sobre as diversas regiões do planeta, que se escondem por detrás desta guerra, assim como a importância de dar combate e denunciar publicamente estes aspectos, realizando acções específicas para tal.

Por último, Albano Nunes sublinhou a necessidade de reforçar a organização do Partido e intensificar a sua acção, por forma a responder às campanhas que se têm desenvolvido contra o Partido, dentro e fora dele.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: