TC confirma prisão

Em resposta ao recurso apresentado pelo advogado de Fátima Felgueiras, Artur Marques, o colectivo de juizes do Tribunal Constitucional confirmou, segunda-feira, a medida de coacção aplicada à ex-autarca de Felgueiras.
A decisão vem, desta forma, confirmar a medida aplicada, em Janeiro passado, pelos tribunais de Instrução de Guimarães e da Relação, que decretaram não só a prisão preventiva como a suspensão de mandato.
Recorde-se a ex-presidente da Câmara Municipal de Felgueiras é acusada de corrupção no âmbito do caso do «saco azul» de Felgueiras, encontrando-se desde o início do ano foragida no Brasil por não concordar com as decisões judiciais.


Educação sexual estagnou

A Associação para o Planeamento da Família (APF) apresentou, na passada quinta-feira, em conferência de imprensa, um relatório sobre o último triénio de educação sexual nas escolas portuguesas, no qual constam dados recolhidos em mais de um milhar de estabelecimentos.
Segundo o presidente daquela associação, Duarte Vilar, a maioria dos professores do ensino básico desconhece a obrigatoriedade de inclusão desta matéria nos programas curriculares, facto que ajuda a explicar que pouco mais de 30 por cento das escolas estejam a cumprir o acordado em protocolo com o Ministério da Educação, assinado há cinco anos.
Este é, aliás, um dos factos que merece destaque no documento, uma vez que os objectivos fixados apontavam para que cerca de 90 por cento das escolas estivessem, no final de 2003, a sensibilizar e a dinamizar iniciativas para a prática da educação sexual.
Para além da «falta de informação, confusão sobre o significado do que é a educação sexual, falhas de acompanhamento e de avaliação deste processo», o documento afirma que por estes motivos «a maior parte dos jovens não tem direito à educação sexual».


«No Mar não há Árvores»

A Biblioteca Municipal de Vila Nova de Gaia acolheu, no final da tarde de sábado, a sessão de lançamento do novo livro da eurodeputada comunista Ilda Figueiredo, intitulado «No Mar não há Árvores».
Apresentada pelo jornalista César Príncipe, a obra é uma colectânea de textos seleccionados entre as inúmeras intervenções em debates, artigos de opinião publicados em jornais e revistas nas quais a autora escreve regularmente.
No livro, Ilda Figueiredo discorre sobre questões da actualidade europeia e analisa algumas das mais candentes questões da economia e da política no contexto da globalização capitalista.
Anteriormente a deputada do PCP no Parlamento Europeu havia já editado o livro «Educar para a Cidadania».
Ilda Figueiredo, licenciada em economia pela Faculdade de Economia do Porto, é eurodeputada desde 1999, tarefa que acumula, desde 2002, com o cargo de membro da Assembleia Municipal de Vila Nova de Gaia e da Área Metropolitana do Porto.


Iraniana recebe Nobel da Paz

A iraniana Shirin Ebadi foi distinguida pelo comité de Oslo, na sexta-feira, com o Prémio Nobel da Paz, tornando-se na primeira mulher muçulmana a receber o galardão.
Ebadi, de 56 anos, dedicou parte da sua vida a promover o respeito pelos direitos das mulheres no seu país e no mundo, com particular destaque depois de ter resignado ao cargo de juíza de um dos principais tribunais de Teerão – cargo para o qual foi a primeira mulher a ser escolhida - na sequência da revolução islâmica de 1979.
Desde então acumula a escrita com o trabalho como investigadora e docente numa universidade da capital do país, não deixando porém de erguer a sua voz em prol do que considera um atropelo aos escritos sagrados muçulmanos, uma vez que, segundo tem afirmado, não existem nas leis islâmicas preceitos de discriminação política ou da condição feminina.
Confrontada com a entrega do prémio, Ebadi defendeu a resolução dos diferendos por vias pacíficas e foi neste contexto que expressou a esperança de que o Irão não seja atacado pelos EUA, uma vez que «o meu país não tem a bomba atómica e o povo iraniano é pacífico e está cansado de conflitos», declarou.


40 anos de carreira

O fadista Carlos do Carmo comemorou, sábado, num espectáculo no Coliseu de Lisboa, o quadragésimo aniversário da sua carreira.
Acompanhado por muitos músicos que quiseram demonstrar a importância do cantor no panorama da música nacional, como Bernardo Sassetti, Júlio Pereira, Carlos Bica e Ricardo Dias, entre outros, Carlos do Carmo percorreu alguns dos seus maiores êxitos e cantou fados célebres como «O homem das castanhas», «Os putos» ou «Canoas do Tejo».
Pelo ecrã, montado especialmente para o concerto, passaram ainda mensagens de apreço e agradecimento de algumas das personalidades e companheiros de profissão que o acompanharam ao longo de 40 anos.
No final, Carlos do Carmo foi agraciado com a Medalha de Mérito de Lisboa.


Resumo da Semana