Novo aumento nos transportes públicos

O preço dos bilhetes e dos passes sociais dos transportes públicos aumentou no domingo em média 3,7 por cento, um crescimento superior aos valores de inflacção previstos para 2005 (2,2 por cento) e os aumentos salariais da maioria dos trabalhadores. O Governo justifica a medida com o atraso em três meses da actualização anual dos preços e a variação dos preços dos combustíveis entre Setembro de 2004 e Março de 2005. Este argumento não convence o Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos (MUSP), que acusa o executivo de José Sócrates de «ceder aos interesses dos grupos económicos» e assim promover a diminuição do poder de compra, o crescimento do endividamento das famílias e a maior utilização do transporte próprio.
O MUSP defende o alargamento das actuais coroas territoriais servidas pelos passes sociais a toda a Área Metropolitana de Lisboa e a criação de novas coroas em outras zonas do País; a melhoria dos autocarros, comboios e restantes transportes; a criação de vias BUS para tornar as viagens mais rápidas e cómodas; e a melhor articulação entre os diversos tipos de transportes.
Portugal é o país da União Europeia onde os utentes pagam a maior percentagem dos custos dos transportes públicos através dos preços dos bilhetes e passes.


Sindicato defende jornalismo responsável e livre

O Sindicato dos Jornalistas assinalou o Dia da Liberdade de Imprensa, comemorado anteontem, exigindo condições para que os profissionais desenvolvam «um jornalismo responsável e livre». «Na convicção de que é possível e necessário ser mais livre em Portugal, o SJ saúda especialmente todos quantos se batem nas redacções – dirigentes, delegados e activistas sindicais, membros dos conselhos de redacção e inúmeros jornalistas que os acompanham», lê-se no comunicado.
O SJ lembra os muitos problemas dos jornalistas no mundo: as balas que tentam silenciar o seu testemunho nos conflitos; agressões e perseguições, mas também situações de precariedade do vínculo contratual e de composição dos salários. Isto cria «condições objectivas para limitar a liberdade de informação e condicionar a autonomia dos jornalistas», garante.
O sindicato exige, entre outras medidas, a regulamentação dos direitos de autor dos jornalistas, o estabelecimento de limites às concentrações de órgãos de informação entre empresas, o reforço da protecção do sigilo profissional e o reforço da autonomia dos jornalistas face ao poder económico, incluindo da própria empresa.


Ivo Ferreira preso no Dubai

O realizador português Ivo Ferreira, preso no Dubai há cerca de um mês, foi formalmente acusado no domingo do crime de consumo de estupefacientes pelas autoridades judiciais locais. A notícia da prisão foi divulgada na semana passada pelo pai do cineasta, que acusa o Ministério dos Negócios Estrangeiros de não estar a tratar do caso com a diligência necessária.
No sábado, Ivo Ferreira escreveu ao xeque do Dubai Al Maktum pedindo perdão, admitindo o seu «erro e mostrando arrependimento», acrescentando que «quero muito voltar para casa».
No dia 5 de Abril, a polícia do Dubai encontrou restos de um cigarro de haxixe no quarto de Ivo Ferreira e este admitiu que tinha dado duas «fumaças» no «charro». O consumo de droga neste país pode ser punido com penas de prisão até aos quatro anos e a posse de estupefacientes até 15 anos.


JS e JSD têm «militantes repetidos»

Pelo menos 17 militantes da Juventude Social Democrática (JSD) de Oeiras inscreveram-se na Juventude Socialista (JS) recentemente com o objectivo de recolher informações sobre a preparação do processo preparatório das eleições autárquicas, noticiou este fim-de-semana os jornais Expresso e Diário de Notícias. O facto terá levado ao cruzamento dos ficheiros de militantes das direcções nacionais das duas organizações partidárias. «Têm chegado denúncias de militantes com dupla filiação de vários lados, não só de Oeiras», revelou ao DN Rodrigo Saraiva, secretário-geral da JSD, que garante a expulsão destes elementos. Pedro Nuno Santos, líder da JS, partilha esta opinião e garante que em Oeiras haverá expulsões.


Resumo da Semana