Estudantes contra Processo de Bolonha

O Encontra Nacional de Direcções Associativas (ENDA) – que reuniu mais de 70 associações de estudantes do ensino superior no fim-de-semana, no Porto – aprovou uma moção em que manifesta a sua preocupação sobre o rumo da educação, nomeadamente a «interpretação economicista» que o Governo dá à Lei de Bases do Sistema de Ensino e a «agenda oculta» do Processo de Bolonha: diminuição dos custos da mão-de-obra, desinvestimento do Estado face ao ensino superior e o «desvirtuar do conceito de educação enquanto direito humano e universal».
O fim dos estágios remunerados para os finalistas das áreas de ensino também foi contestado pelo ENDA, que contesta a decisão do Governo e anuncia a intenção de preparar formas de luta. Outra reinvindicação é a possibilidade de atribuição de doutoramentos «seja determinada em função do mérito da instituição e não do subsistema de ensino onde se inserem».


Utentes da Linha do Sado querem melhores condições

Mais de 200 utentes da Linha do Sado concentraram-se na estação do Pinhal Novo, na quinta-feira, e aprovaram um conjunto de reinvindicações, entretando já enviadas ao ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações: introdução de comboios eléctricos, criação de um passe social extensível à Fertagus, a circulação do Intercidades em Setúbal e a entrada em funcionamento das escadas da estação.
O comboio que chegou ao Pinhal Novo às 17h46 ficou retido na estação durante 15 minutos por os utentes ocuparem a linha em protesto. «Não ao transbordo no Pinhal Novo» e «Queremos comboio eléctrico» foram algumas das palavras de ordem gritadas. «A luta dos utentes é convergente com a luta dos trabalhadores da CP», afirmou na ocasião Domingos Rodrigues, da Comissão de Utentes da Linha do Sado.
Na iniciativa, participaram Bruno Dias, deputado comunista, Valdemar Santos, membro da DORS do PCP, e vários autarcas do Pinhal Novo, de Palmela e de Setúbal.


Ministro pelo fim das dívidas de países pobres

Gordon Brown ministro das Finanças britânico, defendeu na semana passada o perdão das dívidas dos países a sul do deserto Sahara a instituições multilaterais como o Banco Mundial, o Banco de Desenvolvimento Africano e Fundo Monetário Internacional. Um dos argumentos apresentados por Brown é o facto de as dívidas e os juros que estas nações têm de pagar impedirem a concretização do Objectivo do Milénio, proposto pelas Nações Unidas: reduzir para metade a pobreza mundial até 2015.
Brown propõe ainda a criação de uma instituição internacional que contribua para o pagamento dos programas de imunização das populações sub-saharianas e a duplicação da ajuda dos países europeus.
O presidente dos EUA já se mostrou desagradado com a ideia, afirmando que o projecto não se adequa ao processo orçamental norte-americano. George W. Bush acrescentou que o Congresso não autoriza compromissos financeiros a longo prazo.
Em 1970, a ONU estipulou o objectivo de cada país desenvolvido destinar 0,7 por centi do rendimento nacional a ajudas ao estrangeiro. Actualmente, o Reino Unido apenas cumpre em metade.


Polícia mata 25 haitianos

Pelo menos 25 pessoas morreram em operações realizadas pela Polícia do Governo do Haiti, na semana passada. Segundo fontes locais, as autoridades policiais atearam fogo a várias casas da capital, Port-au-Prince. As acções concentraram-se em bairros considerados bastiões de partidários do presidente constitucional, Jean Bertrand Aristide, afastado do poder em 2004.
O embaixador dos Estados Unidos solicitou ao Governo de Bush que estude a possibilidade de enviar centenas de «marines» para o Haiti, com a justificação da próximidades das eleições locais prevista para 9 de Outubro e das legislativas e presidenciais para 13 de Novembro.


Detido director de jornal mapuche

Pedro Cayuqueo, director do jornal mapuche Azkintuwe, pela polícia do Chile, quando o jornalista se preparava para participar no Encontro de Comunicadores Indígenas na cidade de Vancouver, no Canadá.
A detenção ocorreu no dia 2 de Junho, em Nueva Imperial, com base no incumprimento de uma decisão judicial de 2003, data em que foi sentenciada a Pedro Cayuequeo 61 dias de prisão e o pagamento de uma multa por «usurpação de terras» e «encobrimentimento do furto de madeiras». Segundo as autoridades, ambos os delitos teriam sido cometidos depois do jornalista apoiar, em 1999, a recuperação do Fundo Santa Rosa de Colpi, impulsionada pelas comunidades Temulemu, El Pantano e Didaico de Traiguén.
O jornal Azkintuwe apela a fim da perseguição judicial e política contra dirigentes, comunidades e organizações mapuches.


Resumo da Semana