Breves
Anomalias no referendo iraquiano
As autoridades eleitorais do Iraque estão a analisar as «anomalias» registadas no referendo constitucional de sábado, no âmbito da investigação à participação «invulgarmente alta» que se registou.
«Os primeiros controlos estão a ser efectuados», afirmou um alto responsável da Comissão Eleitoral, explicando que as autoridades detectaram «anomalias» que admitem poderem dever-se a «erro técnico ou a fraude».
Os controlos visam as folhas de contagem de votos «para determinar se houve problemas de transcrição dos resultados» e, a confirmarem-se problemas desses, «iniciar um processo de correcção».
«Vamos fazer verificações manuais depois das feitas por computador. E podemos abrir urnas para controlo (...) Se os problemas persistirem podemos mesmo ter de recontar os votos todos», disse o mesmo responsável.
Para que o projecto de constituição não passe é preciso que seja rejeitado por pelo menos dois terços dos votos em três províncias.
A concluir-se pela existência de fraude eleitoral, disse o responsável, «haverá que determinar se se tratou de tentativas sistemáticas que influenciaram os resultados», nomeadamente ao nível «do limiar dos dois terços».

EUA bombardeiam Ramadi
Pelo menos 70 pessoas morreram em consequência dos bombardeamentos levados a cabo no domingo por aviões e helicópteros de combate norte-americanos contra a cidade iraquiana de Ramadi.
De acordo com o testemunho de jornalistas no local, citados pela Prensa Latina, as vítimas são maioritariamente civis, sobretudo mulheres e crianças.
Os ataques, registados durante toda a noite, visaram áreas residenciais densamente povoadas, e ocorreram em aparente retaliação pelo atentado levado a cabo pela resistência que provocou cinco baixas mortais às tropas norte-americanas em Ramadi, capital da província ocidental de Al Anbar, no chamado triângulo sunita.
Segundo dados do Departamento de Defesa dos EUA e do Comando Central, ascende a 1976 o número de soldados norte-americanos mortos no Iraque até ao passado sábado, dia do referendo constitucional.

Clandestinos à deriva no Saara
Os imigrantes clandestinos abandonados por Rabat no deserto do Saara continuam à deriva, ameaçados de morte pela fome e pela sede, sem que as autoridades marroquinas tomem qualquer medida para evitar a tragédia.
Segundo jornalistas espanhóis que acompanham as tropas do contingente das Nações Unidas em zonas próximas da Argélia, Marrocos terá mesmo exigido à ONU que deixe de colaborar com a Frente Polisário - organização que luta pela independência do Saara Ocidental - na tentativa de resgate dos imigrantes clandestinos.
As patrulhas da ONU, acompanhadas de saarauis, continuam no entanto a sua busca por sobreviventes, mas o que encontram cada vez mais são cadáveres. Em Bir Lehlu já há 95 imigrantes, e em Mhairiz, outra base militar da Frente, foram recolhidos outros 22 na última semana.
Rabat concluiu no domingo a expulsão de 970 estrangeiros a partir de Guleimin, uma cidade às portas do deserto.

Crescimento recorde no Vietname
O Vietname terá este ano um crescimento de 8,4 por cento, o maior índice económico dos últimos cinco anos, informou o governo de Hanói na sessão da Assembleia Nacional iniciada esta segunda-feira.
Segundo o relatório governamental, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita ascenderá a 640 dólares no final do ano fiscal. Os sectores industrial e da construção apresentam um crescimento de 40,8 por cento do total do PIB, enquanto os serviços crescem 38,5 por cento. Estes resultados são atribuídos à reestruturação económica levada a cabo, que se reflectiu positivamente na qualidade e eficácia.
O governo informou ainda que em 31 das 64 províncias do país, incluindo as zonas rurais, se conseguiu universalizar o ensino secundário, enquanto se registaram progressos nos índices de pobreza e prevenção das epidemias.
Para 2006, o crescimento previsto do PIB é de oito por cento, o que aumentará o rendimento per capita para 720 dólares por ano.

Irão coopera com a ONU
O director-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Mohamed ElBaradei, recém galardoado com o prémio Nobel da Paz, afirma-se confiante no próximo reatamento das conversações sobre o programa nuclear iraniano.
«As coisas estão a evoluir no bom sentido», disse ElBaradei, citado pela Lusa, após uma reunião com o presidente da Áustria, Heinz Fischer, no início da semana. Segundo aquele responsável, o Irão está a cooperar com os inspectores da autoridade nuclear das Nações Unidas.
Recorda-se que, no domingo, Teerão declarou concordar com o reatamento das conversações com a troika formada pela Grã-Bretanha, França e Alemanha, mas vincou que não aceita suspender de novo as actividades nucleares, condição colocada pela troika. O diálogo foi interrompido em Agosto, quando as autoridades iranianas decidiram prosseguir o enriquecimento de urânio, alegadamente para fins pacíficos.